As fabricantes de medicamentos Eli Lilly do Brasil e Antibióticos do Brasil foram condenadas a pagar R$ 1 bilhão em indenizações por contaminar os funcionários com metais pesados como chumbo e mercúrio, em Cosmópolis (SP), segundo informações do Ministério Público do Trabalho (MPT).

Conforme o MPT, 80 ex-funcionários se submeteram a exames de sangue e apenas três não apresentaram contaminação. Segundo relato de trabalhadores, a empresa incinerava resíduos de terceiros no local para aproveitar a capacidade ociosa da instalação.

Em nota, a Eli Lilly, que operou a unidade de 1970 a 2000, afirma que recorrerá da sentença. Ela admite que houve contaminação do solo devido a “subprodutos do processo produtivo”, mas nega a presença de metais pesados que teriam provocado problemas de saúde em funcionários.

“Há laudos de especialistas atestando não haver nenhuma base científica que comprove que as substâncias encontradas causem as doenças alegadas e muito menos que provoquem danos irreparáveis aos ex-funcionários ou terceiros”, afirma a empresa em nota.