Geral

Sobre relação com alvos de operação, Olarte diz que ‘se relaciona com todo mundo’

O prefeito de Campo Grande, Gilmar Olarte (PP), afirmou que, como homem público e pastor, se relaciona com todo mundo. O progressista tem ligação com Ronan Edson Feitosa de Lima e Salem Pereira Vieira, presos durante operação do do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), na última sexta-feira (11). “Como homem […]

Arquivo Publicado em 14/04/2014, às 12h06

None
1973941248.jpg

O prefeito de Campo Grande, Gilmar Olarte (PP), afirmou que, como homem público e pastor, se relaciona com todo mundo. O progressista tem ligação com Ronan Edson Feitosa de Lima e Salem Pereira Vieira, presos durante operação do do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), na última sexta-feira (11).

“Como homem público e pastor se relaciona com todo mundo”, afirmou o prefeito, na manhã desta segunda-feira (14), na palestra do juiz Odilon de Oliveira. 

Prisões

O ex-assessor municipal Ronan Edson Feitosa de Lima foi preso em São Paulo na sexta-feira durante uma operação do Gaeco. Ele é apontado tanto como amigo do prefeito cassado Alcides Bernal, como do atual prefeito de Campo Grande.

Ronan foi nomeado por Bernal na prefeitura no dia 28 de janeiro de 2013 e exonerado por Olarte no dia 17 de março deste ano, junto com outros servidores comissionados nomeados pelo antigo prefeito.

Apesar de apontado como membro da igreja de Olarte, Ronan não faria mais parte do grupo. A investigação do Gaeco é sigilosa. Os fatos serão esclarecidos nas investigações do promotor Marcos Alex Vera.

O ex-assessor recebia pelo símbolo DCA-3, que é de R$ 2.980,40, podendo dobrar com o adicional de 100% e chegar a R$ 5.960,00.

Além de Ronan, Salem Pereira Vieira também foi preso ontem por porte ilegal de arma. Ele foi liberado ao pagar fiança, mas tem passagem pela polícia por roubo.

Os guardas municipais Ricardo Aguiar Catelhano, de 37 anos e Fabiano de Oliveira Neves, de 34 anos foram presos por porte ilegal de arma de fogo. Eles foram flagrados pelo Gaeco em frente à casa de Olarte, quando o grupo entregava uma intimação para que o prefeito prestasse depoimento.

Jornal Midiamax