Geral

Sírios ‘comem grama’ para enfrentar fome em Homs

Moradores da sitiada cidade de Homs, na Síria, estão tão desesperados por alimentos que têm comido “qualquer coisa que cresça no chão, plantas, até grama”, disse o sírio Baibars Altalawy. A cidade está sob ataque das tropas do governo há mais de um ano e meio. Segundo Altalawy, os moradores das partes sitiadas dependiam de […]

Arquivo Publicado em 29/01/2014, às 10h43

None
1868114450.jpg

Moradores da sitiada cidade de Homs, na Síria, estão tão desesperados por alimentos que têm comido “qualquer coisa que cresça no chão, plantas, até grama”, disse o sírio Baibars Altalawy.

A cidade está sob ataque das tropas do governo há mais de um ano e meio.

Segundo Altalawy, os moradores das partes sitiadas dependiam de alimentos, remédios e combustível enviados ao local quando o estado de sítio foi imposto. Mas esses suprimentos acabaram.

“Se não morrermos por conta dos bombardeios ou dos franco-atiradores, vamos morrer de fome ou frio”, disse Altalawy, de 24 anos, via Skype, de Homs.

A população local esperava que a conferência em Genebra, que discute a guerra civil na Síria, levasse à criação de rotas seguras para que os moradores pudessem abandonar Homs – mas Altalawy afirma que, se o regime quisesse ajudar a população a escapar, já o teria feito.

O mediador da ONU, Lakhdar Brahimi, tenta obter acesso humanitário à área sitiada, mas os diálogos permanecem emperrados. A delegação síria exige garantias de que a ajuda humanitária americana não irá para “grupos terroristas armados” na cidade.

São 13 distritos, incluindo a histórica Cidade Velha de Homs, que estão “totalmente sitiados”, afirmou Altalawy.

FomeNa falta de alimentos, Altalawy diz que a população está colhendo qualquer tipo de planta ou grama. “Daí cozinhamos com água, usando madeira (para o fogo), porque não temos gás”.

Só que essas gramas e arbustos têm causado indigestão e febre em alguns moradores. “Alguns dias atrás, um idoso morreu seis horas após comer a grama.”

Altalawy afirma também que o bombardeio sobre a cidade não tem tido trégua – e que áreas de população civil estão sendo “diretamente alvejadas” pelas forças ligadas ao presidente Bashar al-Assad.

“Muitos morreram porque não temos equipamento ou medicamentos para salvar suas vidas. O pouco que sobrou de remédio está vencido, mas temos usado mesmo assim.”

‘Pouca esperança’A situação médica é tão desesperadora quanto à situação humanitária, agregou. “Quando alguém é ferido, só o que podemos fazer é rezar a Deus para aliviar sua dor, porque não podemos tratá-lo ou sequer alimentá-lo.”

Além da população sitiada, 700 mil pessoas foram forçadas a se deslocar por conta dos conflitos, diz o sírio – muitas estão abrigadas em prédios públicos ou em acampamentos improvisados fora das áreas bombardeadas.

Há “pouca esperança” quanto aos sucesso das negociações em Genebra.

“Estamos à beira da morte, e não há formas de tirar os doentes ou feridos (da cidade). E sabemos que qualquer pessoa que tente escapar do sítio será morta com certeza.”

Jornal Midiamax