O presidente estadual do PT e prefeito de Corumbá, Paulo Duarte, evitou críticas as investidas do pré-candidato do PMDB ao Governo do Estado, Nelsinho Trad, para tentar afastar Reinaldo Azambuja (PSDB) e o PSDB do pré-candidato do PT, senador Delcídio do Amaral. Ele considerou normal a tentativa de enfraquecer o adversário, que está mais forte nas pesquisas.

“A forçação de barra tem motivo. Hoje, todas as pesquisas sérias e com respaldo de institutos conhecidos, mostram Delcídio bem à frente, o que não quer dizer nada. É natural que quem está atrás busque tirar pessoas. O Nelson está fazendo a parte dele. Hoje, sem soberba ou salto alto, quem está atrás busca todos mecanismos, inclusive de tirar pessoas mais próximas”, avaliou.

Paulo Duarte reconhece a dificuldade a ser enfrentada pelas lideranças para firmar a parceria em Mato Grosso do Sul. Todavia, destaca a afinidade entre Delcídio e Reinaldo Azambuja (PSDB) para dizer que é possível. “Todos os sinais dão conta de que tem afinidades. A relação pessoal ajuda bastante para superar divergências partidárias. Há interesse deles de caminhar conosco”, afirmou.

O presidente do PT explica que cabe ao partido lutar para que o afastamento, desejado por Nelsinho, não aconteça. Para isso, ele revela que o foco do partido é atrair novos aliados, baseado, principalmente, no programa de governo. “Precisamos discutir propostas. Saber o que a gente quer para Mato Grosso do Sul. Temos que começar a discutir programa de governo. É o que pode ajudar a atrair partidos aliados”, concluiu.

Nelsinho está correndo contra o tempo para provar que a candidatura dele ao Governo do Estado é viável. Porém, até o momento, não conseguiu convencer nem lideranças do PMDB de que é possível chegar ao comando do Governo do Estado. Sem aliados, o ex-prefeito vê na aproximação de Azambuja com Delcídio uma grande barreira para a candidatura dele, que tem como aliado apenas parte do PMDB, liderada principalmente pelos irmãos, Marquinhos e Fábio Trad.