Geral

Motoristas acreditam que semáforos na Mato Grosso com Via Parque só amenizam problema

Há muitos anos motoristas, comerciantes e moradores aguardam a construção de um viaduto na rotatória da Avenida Mato Grosso com a Via Parque para desafogar o trânsito na região. E para tentar resolver o problema, nesta quarta-feira (25) foi assinado um convênio entre a Prefeitura e o governo do Estado para a implantação semafórica e […]

Arquivo Publicado em 25/06/2014, às 16h30

None
1327163974.jpg

Há muitos anos motoristas, comerciantes e moradores aguardam a construção de um viaduto na rotatória da Avenida Mato Grosso com a Via Parque para desafogar o trânsito na região.

E para tentar resolver o problema, nesta quarta-feira (25) foi assinado um convênio entre a Prefeitura e o governo do Estado para a implantação semafórica e mais dois acessos em substituição à rotatória da Avenida Mato Grosso com a Via Parque.

A maioria dos motoristas que trafegam pela via dizem acreditar que a medida vai conseguir desafogar o trânsito por um determinado tempo, mas que depois o problema vai persistir.

É o que diz acreditar o aposentado e morador do Carandá Bosque Ramão Rodrigues, que disse transitar pela avenida todos os dias e a melhor solução seria mesmo a construção de um viaduto. “Os semáforos vão ajudar por um tempo, mas depois creio que vai complicar novamente”, avalia.

Rodrigues disse que diariamente tem de passar pela via e que o trânsito a cada dia que passa se torna mais complicado e estressante. “Passo aqui todos os dias, é um aborrecimento ter que ficar parado e se colocarem um sinaleiro vai ajudar a desafogar. Estava precisando mesmo de um sinal para organizar o trânsito”, esclarece.

Para o motorista Osmar Vilela, a colocação de semáforos vai facilitar o trânsito para todos, principalmente para os que precisam passar pela via diariamente. “O ideal seria o viaduto, mas um semáforo já vai ajudar bastante, vai nos socorrer porque quando chega à rotatória ninguém dá passagem”, afirma.

Já a comerciante Jaqueline Zuanazzi diz acreditar que o semáforo solucionaria por um determinado período, mas que depois seria necessário aplicar outra medida. “Resolve agora porque está muito crítico para nós que passamos pela avenida todos os dias, mas acho que o viaduto ainda seria a solução mais acertada”, alega.

A comerciante também ressaltou a falta de educação nas ruas, o que também colabora para os problemas no trânsito campo-grandense. “O trânsito de Campo Grande está muito complicado, além das questões logísticas a falta de educação também reflete. Talvez se fossem feitas mais campanhas educativas os motoristas ficariam mais respeitadores e assim se evitaria muitos acidentes que vemos todos os dias”, destaca.

O engenheiro civil João Marcelo, disse que o problema só seria resolvido com a construção de um viaduto, mas como medida paliativa resolveria momentaneamente. “Aqui o problema só seria resolvido com a construção de um viaduto de três alças para desafogar de vez o trânsito, mas como ainda é inviável a colocação de semáforos é uma boa opção”, esclarece.

Mas existem aqueles que acham que mesmo com os semáforos o trânsito vai piorar. É o caso do funcionário público Carlos Estevão Neto, que diz acreditar que a rotatória deveria permanecer. “Se colocar sinaleiros aqui vai só prejudicar e não vai desafogar nada, poderia deixar do jeito que está mesmo”, desabafa.

De acordo com o secretário da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito), Jean Saliba , a obra terá recurso de R$ 1,3 milhão. A previsão é que os trabalhos fiquem prontos de 90 a 120 dias após a ordem de serviço.

Além do acesso que já existe do shopping para a Avenida Mato Grosso, serão construídos mais outros, sendo uma pista de desaceleração para quem está na Mato Grosso e desce pela esquerda ao shopping.

Segundo o diretor-presidente do Detran-MS (Departamento Estadual de Trânsito de MS) Carlos Henrique dos Santos Pereira, os semáforos serão controlados remotamente via web para poder otimizar o trânsito conforme o fluxo. A Rua Antônio Maria Coelho também receberá uma revitalização total.

Jornal Midiamax