Geral

Magnata chinês admite obstáculos para comprar New York Times

O empresário chinês do setor de demolições Chen Guangbiao redimensionou os planos de adquirir a empresa The New York Times, pouco mais de uma semana depois de anunciar as intenções publicamente. “O grau de dificuldade é elevado”, disse ele na terça-feira por meio de um intérprete. Chen, conhecido por seus ostensivos atos de filantropia, disse […]

Arquivo Publicado em 08/01/2014, às 13h31

None

O empresário chinês do setor de demolições Chen Guangbiao redimensionou os planos de adquirir a empresa The New York Times, pouco mais de uma semana depois de anunciar as intenções publicamente.


“O grau de dificuldade é elevado”, disse ele na terça-feira por meio de um intérprete.


Chen, conhecido por seus ostensivos atos de filantropia, disse que não possui ações da Times nem pretende comprar os papéis ordinários da companhia, e comentou que a direção da empresa rejeitou um pedido de reunião.


A empresa, que edita o jornal homônimo, tem um valor de mercado de 2,3 bilhões de dólares. Chen, que há dois anos prepara uma proposta pelo prestigioso jornal, disse na semana passada que estimava o valor da NYT em 1 bilhão de dólares.


A família Ochs-Sulzberger, dona do Times há mais de um século, controla a companhia por meio de um fundo de ações com direitos especiais de voto.


Em 5 de janeiro, o chinês publicou no jornal The Global Times um artigo em que pedia aos leitores que não tratassem sua intenção de comprar o jornal como golpe ou piada.


Mas, recentemente, Arthur Sulzberger Jr., presidente da NYT, disse que o jornal não está à venda. Uma porta-voz do jornal recusou-se a fazer comentários sobre Chen.


Chen, cuja empresa se dedica à demolição de prédios e edifícios, disse em entrevista na terça-feira que ainda cobiça o jornal, mas que espera encontrar um empreendedor norte-americano com o qual se associar na compra.


A entrevista ocorreu após uma entrevista coletiva de uma hora, em Nova York, na qual Chen abordou tópicos como seu desejo de demolir a velha ponte da baía de San Francisco até os protestos por parte do movimento religioso chinês Falun Gong.


Vestindo terno escuro, gravata listrada azul e dourada e usando maquiagem para as câmeras, Chen, logo depois das suas declarações iniciais, cantou uma música que compôs para a paz mundial.

Jornal Midiamax