Geral

Homens que agrediram colega de trabalho afirmam que estavam embriagados

Os dois suspeitos de agredir um colega de trabalho, de 57 anos, no domingo (24), foram identificados pela Polícia Civil de Ribas do Rio Pardo, município a 97 quilômetros de Campo Grande. De acordo com o delegado responsável pelo caso e titular do Distrito Policial de Ribas, Rafael Kenji Koshimizu, a dupla foi identificada a […]

Arquivo Publicado em 27/08/2014, às 14h11

None
1436435697.jpg


De acordo com o delegado responsável pelo caso e titular do Distrito Policial de Ribas, Rafael Kenji Koshimizu, a dupla foi identificada a partir das informações dadas pela vítima. Os dois homens, identificados como Edilson e Wilmar, foram apresentados na delegacia e ouvidos.

Ainda segundo o delegado, os suspeitos confessaram o crime, mas disseram que estavam muito embriagados no momento das agressões e que não lembram de detalhes. O proprietário da fazenda onde agressores e vítima trabalham também foi ouvido, mas sua declaração contribuiu pouco com o caso, já que ele não testemunhou o crime.

O homem que afirmou ter esfaqueado a vítima tinha um mandado de prisão preventiva em aberto por homicídio culposo, quando não há intenção de matar, na direção de veículo automotor. Ele foi indiciado e preso. Já o outro rapaz responderá pela participação no crime, mas foi liberado da delegacia.

O caso

A vítima, de 57 anos, procurou a Delegacia de Polícia Civil de Ribas do Rio Pardo na manhã desta terça-feira (26) para relatar violência sofrida por colegas de trabalho no domingo. De acordo com a Polícia Civil, o homem estava no alojamento da propriedade rural em que trabalha, quando os colegas Edilson e Wilmar bateram na porta do quarto para convidá-lo para beber, mas ele recusou.

Os colegas voltaram a bater na porta do quarto e, quando o homem abriu, jogaram pinga no rosto dele. Ele fechou a porta, que foi arrombada pelos colegas, que começaram a agredi-lo com pauladas e também facadas. A vítima afirmou que a dupla dizia o tempo todo que o mataria.

O trabalhador conseguiu fugir e se escondeu em um matagal até se recuperar. Ele procurou ajuda de outros colegas e do dono da propriedade. Quando voltou ao alojamento, viu que todas as suas roupas e os pertences haviam sido queimados. O proprietário da fazenda ainda levou a vítima até o hospital para receber atendimento médico.

O caso foi registrado como homicídio doloso, quando há intenção de matar, na forma tentada.



Jornal Midiamax