Geral

Enersul corta energia do DSEI e indígenas falam em represália

Uma equipe da Enersul foi designada na tarde desta quarta-feira (26) para fazer o corte da energia do prédio da Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena), localizada na Via Park, em Campo Grande, que está sendo ocupado por mais de 70 representantes de diversas aldeias indígenas no início da semana. Ao chegar ao local, os […]

Arquivo Publicado em 26/03/2014, às 19h01

None
1013411973.jpg

Uma equipe da Enersul foi designada na tarde desta quarta-feira (26) para fazer o corte da energia do prédio da Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena), localizada na Via Park, em Campo Grande, que está sendo ocupado por mais de 70 representantes de diversas aldeias indígenas no início da semana. Ao chegar ao local, os indígenas após o desligamento da luz, bloquearam a saída do carro da concessionária de energia e disseram que só permitiriam a saída do veículo quando a luz fosse reestabelecida.

A polícia militar esteve no local para acompanhar a situação e conseguiu fazer com que a equipe da Enersul e os indígenas chegassem a um acordo. De acordo com o tenente Lacerda, algum responsável pelo prédio pediu o consumo final de energia, mas como havia crianças e pessoas ocupando a estrutura, a luz foi religada.

De acordo com o vice-presidente do Conselho Local de Saúde Indígena, Elcio Terena de 43 anos, o pedido do desligamento da energia partiu da gestora do DSEI (Departamento da Secretaria Especial de Saúde Indígena), Eliete Domingues. Além disso, mais de 70 pessoas estão acampadas e a permanência dos indígenas no prédio será por tempo indeterminado ou dependendo do desfecho das reuniões que estão acontecendo entre o ministro Aloísio Mercadante e representantes dos índios.

Já para um dos membros do movimento indígena, Anísio Guapo de 47 anos, a atitude de pedir o desligamento se trata de mais uma represália em relação ao movimento indígena do estado.

“Quando esse tipo de coisa acontece, parece que a política estadual quer determinar o fim da política de saúde indígena”, se revolta Anísio.

Jornal Midiamax