Dois norte-coreanos se refugiam no Sul após cruzar fronteira a nado

Dois norte-coreanos desertaram nesta quinta-feira (14) atravessando a fronteira marítima com a Coreia do Sul a nado, um fato raríssimo, anunciou o ministério da Reunificação de Seul. Os homens, de cerca de 20 e 50 anos, chegaram nadando à ilha sul-coreana de Gyodongdo, no mar Amarelo, por volta das 04h00 locais desta quinta-feira (16h00 de […]
| 14/08/2014
- 15:31
Dois norte-coreanos se refugiam no Sul após cruzar fronteira a nado

Dois norte-coreanos desertaram nesta quinta-feira (14) atravessando a fronteira marítima com a Coreia do Sul a nado, um fato raríssimo, anunciou o ministério da Reunificação de Seul.

Os homens, de cerca de 20 e 50 anos, chegaram nadando à ilha sul-coreana de Gyodongdo, no mar Amarelo, por volta das 04h00 locais desta quinta-feira (16h00 de Brasília de quarta-feira), onde foram avistados por soldados.

“Ambos expressaram a vontade de desertar. Pensamos que são pai e filho”, afirmou o porta-voz ministerial.

“Estão sendo interrogados, como exige o procedimento ao se tratar de desertores”, acrescentou.

A ilha ultraprotegida de Gyodongdo encontra-se a 2,5 quilômetros da costa norte-coreana.

A maioria dos norte-coreanos que fogem da repressão e da pobreza cruzam clandestinamente a fronteira com a China, relativamente permeável, para depois tentar chegar à Coreia do Sul a partir do sudeste asiático.

Por sua vez, é quase impossível atravessar a fronteira que divide em dois a península coreana desde o fim da guerra entre ambas as partes (1950-1953).

Materializada por uma “zona-tampão” de 4 km de largura entre os dois países, que nunca assinaram um tratado de paz, é uma das fronteiras mais fechadas do mundo.

Veja também

Fenômeno foi constatado na galáxia Grande Nuvem de Magalhães

Últimas notícias