Geral

Dilma ficou perplexa com erro do IBGE, diz ministra

A miinistra do Planejamento, Miriam Belchior, disse neste sábado que o governo irá esperar a conclusão do trabalho da comissão de sindicância, que irá apurar o erro do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) na Pnad 2013, para tomar providências sobre possíveis afastamentos de responsáveis do órgão. A comissão terá 30 dias para analisar […]

Arquivo Publicado em 20/09/2014, às 17h29

None

A miinistra do Planejamento, Miriam Belchior, disse neste sábado que o governo irá esperar a conclusão do trabalho da comissão de sindicância, que irá apurar o erro do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) na Pnad 2013, para tomar providências sobre possíveis afastamentos de responsáveis do órgão.


A comissão terá 30 dias para analisar os fatos e a responsabilidade funcional e será formada por integrantes da Casa Civil, dos ministérios do Planejamento e da Justiça e da CGU (Controladoria-Geral da União).


Segundo a ministra, o governo “ficou chocado com o erro”, considerado gravíssimo. Além da comissão de sindicância, um grupo de especialistas independentes irá avaliar a consistência da Pnad de 2013, para ver se há algum outro problema no estudo. Os nomes devem ser divulgados na próxima terça-feira. Ainda de acordo com Miriam, ao ser informada do erro do IBGE, a presidenta Dilma Rousseff demonstrou perplexidade por um erro básico como o fato de não ter sido feito um processo de checagem e rechecagem dos dados.


Miriam Belchior destacou a rapidez com que o IBGE corrigiu os dados. “Isso não apaga o erro, que é gravíssimo, mas colocou à disposição da sociedade de forma transparente o mais rápido possível, as informações corrigidas.” Para a ministra, não há problemas de orçamento e de pessoal no IBGE. “Houve um problema técnico básico de não ter sido feita a checagem dos dados”, destacou.

Índice de desigualdade foi divulgado com erro


Ontem, o IBGE divulgou uma correção da análise de dados da Pnad, divulgada na última quinta-feira. O índice de Gini, que mede a desigualdade no país, em 2012 estava em 0,496 e, em 2013, caiu para 0,495, o que mostra redução na desigualdade, ao invés do aumento para 0,498 divulgado anteriormente.


O erro ocorreu porque foi superestimada a população das regiões metropolitanas de sete estados que têm mais de uma região metropolitana, onde foi considerado o peso da região metropolitana do estado inteiro, e não apenas o da capital. Isso influenciou no cálculo de dados como o índice de Gini. Outros dados como o rendimento da população, taxas de analfabetismo e de desocupação também sofreram alterações.


Ontem, a presidenta do IBGE, Wasmália Bivar, pediu desculpas a toda a sociedade pelo erro, mas afirmou que, do ponto de vista significativo, os resultados não mudaram substancialmente.


Também participam da coletiva a ministra do Desenvolvimento Social, Tereza Campello, o ministro da Educação, Henrique Paim, e o ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos, Marcelo Neri. Em nota divulgada durante a coletiva, o governo afirma que os novos dados da Pnad reafirmam a trajetória de queda das desigualdades e mantêm as principais tendências verificadas nesta década.

Jornal Midiamax