Geral

Depois de temporal limpeza será prioridade, mas para pontos críticos falta recurso

O secretário de Infraestrutura, Transporte e Habitação, Semy Ferraz, afirmou que a primeira medida após o temporal, ocorrido neste sábado (5), será a limpeza do sistema de drenagem dos bairros de Campo Grande onde ocorreram alagamentos na noite anterior. Porém, os pontos mais críticos, como a Rua Rachid Neder e Chaadi Scaff, que alagaram com […]

Arquivo Publicado em 05/01/2014, às 18h50

None
978789353.jpg

O secretário de Infraestrutura, Transporte e Habitação, Semy Ferraz, afirmou que a primeira medida após o temporal, ocorrido neste sábado (5), será a limpeza do sistema de drenagem dos bairros de Campo Grande onde ocorreram alagamentos na noite anterior. Porém, os pontos mais críticos, como a Rua Rachid Neder e Chaadi Scaff, que alagaram com a chuva, terão de esperar por recursos para solução do problema.

“O principal problema é drenagem. Em alguns pontos identificamos casos de represamento do córrego, como na Rua Bom Sucesso, no bairro Marcos Roberto, onde a ponte faz efeito barragem. Em outras ruas foi entupimento de drenagem”, explica. De acordo com o secretário a partir desta segunda-feira (6) será realizado a manutenção destas vias de escoamento.

Conforme Ferraz, na Rua Rachid Neder, que passa pelos bairros Monte Castelo e Santo Antônio, a causa do problema é construção de residência sobre a nascente Córrego Cruzeiro. “Ali a situação sempre foi problemática”, afirma.

O problema na Chaadi Scaff, que fica entre as vilas Rosa Pires e Antônio Vendas, na região central da Capital,  acabou interditando na Rua Bahia  na noite de ontem. De acordo com o secretário, um condomínio, ao lado do Parque Itanhangá, também foi construído em cima de uma nascente a cerca de 40 anos e agora vem tendo problemas de transbordamento.

“Para estes problemas cadastramos um pleito no Ministério das Cidades para obras de combate a enchentes e haverá recursos ainda em 2014”,diz acreditar. Conforme o secretário, a  chuva chegou a atingir 63 mm na região do Prosa e 55 mm na bacia do Segredo em 45 minutos.

Ruas sem asfalto

Para Semy Ferraz outra preocupação são as regiões que têm apenas as ruas que compõem as linhas de ônibus asfaltadas. “As pedras descem e entopem os locais de escoamento da pavimentação”, explica.

Problemas como estes foram apresentados nos bairros Jardim Paradiso e Nossa Senhora das Graças.  Conforme o secretário, o asfaltamento destes bairros está com recursos garantidos no PAC Pavimentação. Bairros como o Santa Emília, São Conrado e Portal Caiobá ainda não tem recursos para execução das obras.

Jornal Midiamax