Geral

Coreia do Norte atribui a “exercícios rotineiros” lançamento de mísseis

A Coreia do Norte atribuiu hoje a “exercícios militares rotineiros” o lançamento ao mar de 13 mísseis de curto alcance nos últimos dias e reivindicou seu direito à autodefesa diante do que considera uma ameaça da Coreia do Sul e dos Estados Unidos. O lançamento de mísseis da costa leste do país foi efetuado de […]

Arquivo Publicado em 05/03/2014, às 11h47

None

A Coreia do Norte atribuiu hoje a “exercícios militares rotineiros” o lançamento ao mar de 13 mísseis de curto alcance nos últimos dias e reivindicou seu direito à autodefesa diante do que considera uma ameaça da Coreia do Sul e dos Estados Unidos.


O lançamento de mísseis da costa leste do país foi efetuado de forma segura e com sucesso, como parte de “manobras rotineiras” do Exército Popular entre 21 de fevereiro e 4 de março, informou Pyongyang em comunicado da agência estatal KCNA.


A Coreia do Norte disparou ontem ao mar sete projéteis de curto alcance, que se somaram aos dois lançados na segunda-feira e a outros quatro na quinta-feira passada.


As ações são consideradas uma resposta do regime de Kim Jong-un aos exercícios militares Foal Eagle e Key Resolve, que Seul e Washington estão realizando em território e águas da Coreia do Sul.


Pyongyang alegou que os EUA estão demonstrando “hostilidade”, por isso reivindicou seu direito à autodefesa diante das vozes críticas de Seul e Washington, que exigiram o fim dos lançamentos de mísseis ao considerá-los “provocações”.


O Foal Eagle se prolongará até 18 de abril e o Key Resolve terminará em 9 de março, por isso acredita-se que pode haver mais tensões nas próximas semanas.


Nos últimos dias, a Coreia do Norte criticou duramente as manobras militares, que considera “um teste de invasão” contra o país.


Por sua parte, o exército sul-coreano reforçou sua preparação diante de qualquer possível contingência, embora os lançamentos de mísseis de curto alcance do Norte não são consideradas uma ameaça grave.


Em 2013, o regime de Kim Jong-un realizou uma campanha de hostilidades sem precedentes, com ameaças de guerra quase diárias, sob o pretexto de se sentir ameaçado pelas manobras anuais.


Apesar dos lançamentos de mísseis de curto alcance, este ano Pyongyang está mostrando moderação e suas relações com o Sul se encontram em uma fase de melhora após anos de tensão.


Os EUA mantêm 28.500 soldados na Coreia do Sul, país com o qual realiza frequentes exercícios militares e que se compromete a defender desde a Guerra da Coreia (1950-53).

Jornal Midiamax