Geral

Regional do Inmetro de Dourados é desativada pelo Governo Federal

Com 30 anos de funcionamento na cidade, o órgão, que atendia toda a macrorregião de Dourados, foi desativado ontem por determinação do Inmetro Nacional

Arquivo Publicado em 28/03/2013, às 10h49

None
421338311.jpg

Com 30 anos de funcionamento na cidade, o órgão, que atendia toda a macrorregião de Dourados, foi desativado ontem por determinação do Inmetro Nacional

O escritório do Instituto Nacional de Metrologia (Inmetro) de Dourados, que funcionava como regional, atendendo mais de 35 cidades da macrorregião foi desativado, depois de 30 anos de funcionamento no município. A determinação partiu do Inmetro Nacional.

Segundo o diretor-presidente do órgão em Mato Grosso do Sul, Sérgio Maia Miranda, as regionais consideradas ‘inviavelmente econômicas’, devem ser desativadas em todo País. Em Dourados, o escritório funcionou até terça-feira. Ontem, o imóvel onde funcionava o órgão, na Rua Albino Torraca, foi desocupado.

Em Dourados, o órgão regional utilizava três funcionários, sendo dois de carreira e um comissionado.

O chefe regional, Nilton Pinto Rodrigues, disse que recebeu o comunicado de fechamento há uma semana. “Acredito que seja por contenção de despesas, mas não fomos comunicados oficialmente sobre os motivos”, disse o servidor federal.

Para ele, o órgão em Dourados vai fazer falta tendo em vista que qualquer tipo de documento, esclarecimentos ou denúncias, o empresário ou consumidor recorriam até o escritório local.

Apenas as fiscalizações anuais eram feitas com o auxílio de equipes de Campo Grande. “A partir de hoje quem precisar dos serviços do Inmetro terá que telefonar no órgão em Campo Grande ou se dirigir até lá pessoalmente”, informou.

Outro problema, segundo Nilton, são os funcionários, que passaram a ser lotados no Inmetro da Capital, fato que vai gerar transtornos, já que eles residem com suas famílias em Dourados.

TAXISTAS

Muitos taxistas foram pegos de surpresa sobre a desativação do Inmetro em Dourados, Para Isac de Oliveira, os profissionais ficam inviabilizados sem o Inmetro.

Sabendo que terá que se deslocar até a Capital para verificação do taxímetro, a notícias não agradou . “O preço da bandeirada já está desfasado há 4 anos, agora ainda teremos que ir em Campo Grande?, será inviável”, disparou.

A mesma opinião é do taxista Mauro Jesus. Há 30 anos no ramo, ele diz que sempre procurava o escritório em Dourados quando precisava. “Creio que agora ficará complicado para a classe”, avalia.

OUTRO LADO

O diretor-presidente do Inmetro esclarece que as fiscalizações anuais vão continuar normalmente. Quanto aos taxistas ou empresas, existem as ‘permissionárias’ em Dourados, ou seja, são empresas contratadas pelo Inmetro com autorização para certificar o uso do equipamento (taximetro, balanças, etc). Outros esclarecimentos no (67)3317-5750. As denúncias são feitas no 0800.675220.

Jornal Midiamax