Geral

Prefeitura vai abrir mais de 2,5 mil imóveis e verificar focos de dengue

Na primeira casa vistoriada nesta segunda já foi encontrado focos do mosquito no ralo dos fundos e em uma lona que havia no local.

Arquivo Publicado em 21/01/2013, às 18h28

None
26302393.jpg

Na primeira casa vistoriada nesta segunda já foi encontrado focos do mosquito no ralo dos fundos e em uma lona que havia no local.

O juiz de direito Luiz Gonzaga Mendes Marques concedeu alvará geral para inspeção de imóveis por agentes de saúde da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde). Com o documento, os agentes poderão adentrar aos imóveis que estão fechados, abandonados ou desocupados para buscar focos da dengue e combater a doença. Ao todo, estima-se que são 2,5mil imóveis nestas condições na Capital.

Segundo o prefeito Alcides Bernal, a situação está muito séria e a medida judicial vem auxiliar no combate à doença. “São muitos imóveis fechados. Vamos abrir todos eles e verificar se há focos do mosquito”, disse.

Para a abertura dos imóveis, os agentes vão acompanhados de um chaveiro que abre o local e depois de vistoriados fecha tudo, sem deixar nenhum tipo de dano aos proprietários.

Na casa que foi aberta hoje, localizada à rua Manoel Mariano, bairro São Bento, foi encontrado focos do mosquito no ralo dos fundos da casa e em uma lona que havia no local. Segundo o chefe de serviço de controle de vetores Alcides Ferreira é comum haver focos em locais fechados devido ao acúmulo de água. Ele explicou que a larva tem um ciclo de 8 dias até eclodir e se tornar mosquito e começar tudo novamente. Por isso, é preciso ficar atento, o período de incubação é curto e o mosquito prolifera muito rápido.

Iminência

O secretário de saúde Ivandro Fonseca disse hoje (21) que a cidade enfrenta a epidemia porque não houve medidas preventivas na gestão anterior. Segundo ele, no mês de janeiro a abril do ano passado já havia uma sinalização que poderia haver uma epidemia em 2013, mas nada foi feito. “Não foram feitas ações preventivas. No ano passado, o limiar endêmico – média dos últimos dez anos – indicava um aumento de 50% de infestação. E nada foi feito para evitar a situação que vivemos hoje”.

Fonseca ainda revelou que os todos os domicílios de Campo Grande vão ser visitados pelo programa “Saúde em Ação” e as pessoas vão receber orientações para combatera doença.

Jornal Midiamax