Geral

PF começa a preparar operação e índios mantêm intenção de resistir a despejo

A Polícia Federal começou a organizar a operação para retirar os índios Terena da Fazenda Esperança no Distrito de Taunay, em Aquidauana, a 130 quilômetros de Campo Grande. Pode ocorrer novo confronto entre os policiais e os índios, já que eles ameaçam resistir à desocupação. A reintegração de posse foi determinada pelo juiz federal Renato […]

Arquivo Publicado em 01/07/2013, às 21h07

None

A Polícia Federal começou a organizar a operação para retirar os índios Terena da Fazenda Esperança no Distrito de Taunay, em Aquidauana, a 130 quilômetros de Campo Grande. Pode ocorrer novo confronto entre os policiais e os índios, já que eles ameaçam resistir à desocupação.

A reintegração de posse foi determinada pelo juiz federal Renato Toniasso. O prazo para a desocupação venceu no dia 27 deste mês (quinta-feira). Na quinta-feira mesmo, os donos da área requereram força policial para desocupar a área. O pedido foi formulado pelo Niuton Ribeiro Chaves Junior.

Hoje, a assessoria de imprensa da PF confirmou que a corporação está organizando a operação de despejo. A Cicgoe (Companhia de Gerenciamento de Crises e Operações Especiais), como ocorreu em Sidrolândia, deverá reforçar a operação de despejo.

A Força Nacional, que enviou 110 homens para a área de conflito em Sidrolândia, também deve reforçar a operação de desocupação. Na semana passada, os índios se reuniram com os representantes das tropas federais e voltaram a alertar que pretendem resistir a eventual desocupação.

A primeira desocupação terminou em tragédia no dia 30 de maio deste ano, quando o índio Oziel Gabriel, de 32 anos, morreu após ser baleado em confronto com os policiais. A PF abriu inquérito para descobrir de onde saiu o tiro que matou o indígena, se foi de uma arma da Polícia Militar ou da Polícia Federal.

A morte do índio teve repercussão internacional e obrigou até a presidente Dilma Rousseff (PT) anunciar que resolver o conflito agrário no Estado é a principal prioridade do seu Governo. O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) criou uma comissão para estudar uma solução. Eles discutem duas propostas: comprar terras para ampliar as reservas indígenas ou encontrar uma solução pra todas as etnias, incluindo-se os guaranis na região sul do Estado.

A Funai (Fundação Nacional do Índio), juntamente com o
Ministério Público Federal, já recorreram da decisão, mas não julgamento do recurso contra o despejo.

Jornal Midiamax