Além do trânsito tumultuado, nesta terça-feira (24) véspera de Natal o que mais preocupa os consumidores campograndenses são as filas pelas lojas do centro. As lojas âncoras, de marcas nacionais e maiores, são as mais lotadas e que exigem mais paciência de quem ainda quer garantir um presente neste feriado.

A costureira Salete de Moraes busca ainda um presente para a mãe. “Já comprei de todo mundo, mas falta o da minha mãe. Está difícil porque está  muito cheio, mas vou conseguir comprar e vai dar tudo certo”.

Secretária, Bianca Nadalin Martins foi comprar roupas para ela e para o irmão. “Sou de Três Lagoas e aproveitei que estamos aqui em Campo Grande para fazer compras. Eu costumo comprar antes, mas só recebi hoje, por isso vim em cima da hora”, explicou. Para a mãe não terá presentes. “Ela não gosta que comprem para ela”, conta.

O policiamento ostensivo segue intenso. Segundo informações dos policiais, nenhuma ocorrência foi registrada nos últimos dias. No dia 15, a Polícia Militar começou a ocupar as ruas do centro para levar mais segurança aos compradores e no último dia 20 o policiamento foi intensificado.

Melhoras nas vendas

O gerente Leopoldo Daminelli, afirma que espera uma melhora nas vendas agora antes das festas de final de ano. “Na primeira semana de dezembro é normal à baixa procura, por que a maioria das pessoas pesquisa preço, e as vendas não são boas. Mas agora, perto do Natal as pessoas saem pra compra, o brasileiro sempre deixa tudo para a última hora”, fala.

Leopoldo confirma que ainda não fechou sua meta de vendas do final do ano, mas que com a proximidade do Reveillon espera que as vendas aumentem “Por conta das roupas de festa, que as pessoas procuram muito. As que mais saem são as que seguem as tradições, com as cores branco, amarelo, azul e verde. A expectativa de vendas é boa”, afirma.