Geral

MPE investiga por que UPAs não contam com laboratórios e aparelhos de raio-X

Falta de esturtura nas Unidades de Pronto Atendimento e Centros Regionais beneficiam laboratórios particulares, que migram para a periferia para suprir carência da rede pública

Arquivo Publicado em 01/07/2013, às 11h45

None
1064058852.jpg

Falta de esturtura nas Unidades de Pronto Atendimento e Centros Regionais beneficiam laboratórios particulares, que migram para a periferia para suprir carência da rede pública

A 30ª Promotoria de Justiça e do Patrimônio Público vai investigar denúncia feita pelo Sintss (Sindicato dos Trabalhadores em Seguridade Social em Mato Grosso do Sul) da falta de laboratórios de análises clínicas nas UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) de Campo Grande. Por falta deles nas unidades, laboratórios particulares se instalam próximos as UPAs, como no bairro Tiradentes.


Segundo o diretor do sindicato, o médico Ronaldo Costa, a Prefeitura de Campo Grande recebe recursos para manter o mínimo de estrutura nas UPAs, desafogando os hospitais, mais essas Unidades não estão prestando os serviços estabelecidos pelo Ministério da Saúde.


“A UPA tem que ter soluções para os problemas de complexidade média. Para isso, precisaria ter um laboratório de análises clínicas 24 horas, assim como o serviço de raio-x e eletrocardiograma”, denuncia.


Entretanto, as UPAs não estariam oferecendo este serviço. “Não há laboratórios de análises nas unidades e a prefeitura não contrata radiologistas 24 horas por dia, com esses exames sendo oferecidos mediante marcações de consulta, o que não pode ser feito”, ressalta.


O médico explica que os trinta primeiros minutos de atendimento são cruciais para quem chega a emergência de uma unidade. “A unidade tem que servir para isso. O paciente chega com suspeita de infarto, por exemplo, e um exame de sangue feito em até 30 minutos daria uma resposta melhor para o atendimento do que um exame posterior”.


Um inquérito civil foi aberto no Ministério Público Estadual para apurar as denúncias contra a prefeitura, de acordo com o edital publicado no Diário de Justiça pelo promotor Alexandre Capibaribe Saldanha.


Em nota, a assessoria de comunicação da prefeitura informou apenas que o raio-x 24 horas funciona na UPA Universitário, Guanandi e UPA Coronel Antonino.


O eletrocardiograma, que apresentou problemas em algumas unidades, já está funcionando normalmente em todas as unidades 24 horas.

Jornal Midiamax