Por pouco a colisão entre um carro de passeio e uma carreta não terminou em tragédia na manhã desde sábado (30), em Campo Grande. Uma Parati, com quatro ocupantes, foi colhida por um caminhão carregado de couro, em cima do viaduto Engenheiro Paulo Avelino de Rezende, na saída para Três Lagoas. Ninguém se feriu. O veículo, que ficou parcialmente destruído, só não foi parar embaixo do pontilhão porque ficou preso na grade de proteção, após “voar” cerca de 50 metros, segundo informou o tenente Valmir, do Corpo de Bombeiros.

A batida aconteceu por volta das 8h, no momento em que o motorista do carro, o funcionário público Gustavo Guiraldelli, de 32 anos, entrou na BR-163, após subir o viaduto pela via que dá acesso ao Estado de São Paulo.

A carreta atingiu a lateral esquerda do veículo, que foi lançado à grade de proteção do pontilhão. Com o impacto, o pneu dianteiro, do lado direito, estourou. Dentro do carro, além de Gustavo, estava a filha dele, Mariane Mori Guiraldelli, de 13 anos, e dois amigos: o técnico de informática Odair da Silva Freitas Junior, de 30 anos e a esposa dele, a empresária Edna Alves Oliveira Silva, de 31.

Eles haviam saído de Água Clara, onde residem, e pretendiam seguir viagem para o Paraguai. Ao Midimax, o condutor relatou que não viu a carreta e, por isso, entrou sem parar no cruzamento que dá acesso ao viaduto.

O condutor do caminhão, Valter Marinho, de 24 anos, que não ficou ferido, relatou que foi pego de surpresa. “Estava vindo e, de repente, eu vi o carro entrando na BR. Ele não parou. Tirei o máximo. Se eu jogasse para o outro lado, batia em outra carreta”, disse.

Uma equipe do Corpo de Bombeiros foi acionada, foi até o local, mas as vítimas dispensaram atendimento. O trânsito segue normal no trecho onde ocorreu o acidente.