Geral

Fazendeiro acusado de chacina contra sem terra é julgado em Minas

Passados quase nove anos da ocorrência da chacina de Felisburgo, no Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais, que resultou na morte de cinco sem terra e ferimentos a bala em outros 12, o fazendeiro Adriano Chafik Luedy começou a ser julgado pela Justiça mineira nesta quinta-feira (10), em Belo Horizonte. Cerca de 250 sem terra […]

Arquivo Publicado em 10/10/2013, às 18h36

None

Passados quase nove anos da ocorrência da chacina de Felisburgo, no Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais, que resultou na morte de cinco sem terra e ferimentos a bala em outros 12, o fazendeiro Adriano Chafik Luedy começou a ser julgado pela Justiça mineira nesta quinta-feira (10), em Belo Horizonte.


Cerca de 250 sem terra ligados ao MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) acompanham o julgamento no fórum de Belo Horizonte, sendo 150 dentro do Tribunal do Júri e o restante em vigília em uma das portarias do prédio.


Chafik está sendo julgado com Washington Agostinho da Silva, seu capataz. O fazendeiro é suspeito de ser o mandante dos crimes, do qual também teria participado diretamente, segundo a acusação do Ministério Público. O crime ocorreu em 20 de novembro de 2004. O fazendeiro, contudo, nega premeditação do crime e diz que atirou para se defender.


Outros dois réus tiveram os seus processos desmembrados. O juiz Glauco Fernandes acatou o pedido por entender serem os processos complexos. E como outros dez réus serão julgados posteriormente, ele não viu problemas.


O julgamento teve início por volta das 10h, e somente duas testemunhas foram ouvidas pela manhã, uma da acusação e outra da defesa. Todas as outras foram dispensadas. No fim da noite de hoje ou começo da madrugada desta sexta-feira (11) a sentença deverá ser dada.


Pela defesa depôs o fazendeiro José Aílton Botelho, que acusou os sem terra de roubar e matar gado da fazenda de Chafik.


Pela acusação depôs Wilton Soares Ribeiro, um dos coordenadores do MST em Felisburgo, que disse que o fazendeiro vivia ameaçando os sem terra e que pessoas ligadas a ele chegaram a disparar tiros contra um veículo do acampamento.


O MST invadiu a propriedade por ela ter sido considerada área devoluta do Estado pela Justiça. Por esse motivo o Incra demarcou as glebas em favor dos sem terra.


Foi após essa demarcação que ocorreu o ataque ao acampamento. Além dos disparos de armas de fogo, 27 casas e a escola dos filhos dos sem terra foram incendiadas. Entre os feridos a bala estava uma criança.


A acusação do Ministério Público aponta que Chafik reuniu 14 homens, que passaram a ameaçar os assentados e cometeram o crime. O promotor Christiano Leonardo se referiu ao crime como “massacre”.


A expressão foi repudiada pelo advogado de defesa Sérgio Habib, que pediu ao juiz que o termo não fosse aceito. “Massacre é expressão altamente subjetiva”, disse o advogado. O pedido foi negado pelo magistrado. “O promotor vai usar a expressão que ele quiser”, disse Glauco Fernandes.

Jornal Midiamax