Geral

Aos 17, sobrinha de Meligeni segue dicas e raça do tio para vingar no tênis

Em qualquer lugar que vá, o sobrenome chama a atenção. A pergunta, provavelmente, é sempre a mesma: “você é parente do Fernando Meligeni?”. A resposta de Carolina Meligeni, 17 anos, é “sim” – o ex-tenista brasileiro é tio da jogadora, que é considerada uma das promessas do esporte nacional. Contudo, a verdadeira resposta à pergunta […]

Arquivo Publicado em 06/10/2013, às 16h50

None
779568201.jpg

Em qualquer lugar que vá, o sobrenome chama a atenção. A pergunta, provavelmente, é sempre a mesma: “você é parente do Fernando Meligeni?”. A resposta de Carolina Meligeni, 17 anos, é “sim” – o ex-tenista brasileiro é tio da jogadora, que é considerada uma das promessas do esporte nacional. Contudo, a verdadeira resposta à pergunta aparece dentro das quadras: Carol, como é chamada normalmente, segue dicas do tio e tem no estilo aguerrido, grande característica de Fernando, um dos principais atributos.


A inspiração não é à toa: logo na infância, o tio vivia o auge no esporte, fato que despertou na garota ainda criança, que vem de uma família ligada ao tênis, a vontade de jogar. “Toda minha família tem ligação com tênis, meus pais são professores, meu tio jogava, sempre via pela TV e ia para a academia. Sempre tive interesse pelas quadras e aos quatro ou cinco anos vi que queria jogar e meus pais começaram a ensinar”, disse ao Terra a jogadora direto de Lima, no Peru, onde conquistou duas medalhas para o País no I Jogos Sul-Americanos da Juventude.


Apesar de ter a exata noção de que o sobrenome não ganha partidas – “quando eu era pequena o sobrenome assustava as adversárias mais do que agora” -, Carol leva uma grande vantagem em relação às concorrentes: conta com os conselhos do tio famoso. “Muito próximos”, no Brasil ou no exterior os dois mantêm contato frequente e o tio sempre entra em cena, em derrotas ou vitórias.


“A gente conversa bastante durante os torneios. No Brasil ligo para ele, sempre traz experiência. Ele viveu tudo o que eu estou passando agora, então ele sabe como me sinto depois de um jogo duro, de derrota”, lembrou a jovem atleta. Ao menos uma característica Carol “roubou” do tio: a raça. “Eu tento me basear muito na raça, vou em todas as bolas. Me espelho bastante no meu tio de quando ele jogava. correr em todas, gritar”, contou a atleta, que, apesar de aplicar o estilo com raça, já declarou seu amor a Roger Federer, tenista com estilo clássico, pelas redes sociais.


Mesmo com a atenção gerada por carregar o sobrenome de Fernando, Carol tenta levar o fato na máxima tranquilidade possível. A jovem garota rechaça que haja uma “pressão” maior por ser uma Meligeni e busca tirar somente o lado positivo do sobrenome. Com pressão ou sem, os resultados já apareceram: Carol Meligeni é a segunda melhor tenista juvenil do Brasil, já conquistou o Banana Bowl – principal competição para jovens do País –, teve a experiência de ir a Grand Slams ao longo de 2013 e é a número 53 do ranking juvenil.

Jornal Midiamax