Geral

Alta do dólar é fonte de pressão inflacionária no curto prazo, mas deve ser limitada por aumento da Selic

A alta do dólar é “fonte de pressão inflacionária em prazos mais curtos”. A avaliação consta da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), divulgada hoje (18). “No entanto, os efeitos secundários dela decorrentes, e que tenderiam a se materializar em prazos mais longos, podem e devem ser […]

Arquivo Publicado em 18/07/2013, às 11h49

None

A alta do dólar é “fonte de pressão inflacionária em prazos mais curtos”. A avaliação consta da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), divulgada hoje (18).


“No entanto, os efeitos secundários dela decorrentes, e que tenderiam a se materializar em prazos mais longos, podem e devem ser limitados pela adequada condução da política monetária [definição da taxa básica de juros, a Selic]”. Neste ano, para conter a inflação, o Copom elevou a Selic em 0,25 ponto percentual em abril, e em 0,5 ponto percentual em maio e neste mês. Atualmente, a Selic está em 8,5% ao ano.


Para o Copom, a alta do dólar e as oscilações na taxa de câmbio nos últimos trimestres “ensejam uma natural e esperada correção de preços relativos”.


O comitê diz ainda que os movimentos no mercado de câmbio no país “refletem, em certa medida, perspectivas de transição dos mercados financeiros internacionais na direção da normalidade, entre outras dimensões, em termos de liquidez e de taxas de juros”.


Na ata, o Copom também avalia que o cenário central para a inflação leva em conta a materialização das expectativas para variáveis fiscais, “não obstante iniciativas recentes apontarem o balanço do setor público em posição expansionista”.


Para o Copom, “a geração de superávit primários [economia para o pagamento de juros da dívida] compatíveis com as hipóteses de trabalho contempladas nas projeções de inflação, além de contribuir para arrefecer o descompasso entre as taxas de crescimento da demanda e da oferta, solidifica a tendência de redução da razão dívida pública sobre Produto [Interno Bruto, soma de todos os bens e serviços produzidos no país] e a percepção positiva sobre o ambiente macroeconômico no médio e no longo prazo”.


O Copom também reitera que um “risco significativo” para a inflação está “na possibilidade de concessão de aumentos de salários incompatíveis com o crescimento da produtividade”.


“Não obstante sinais de moderação, o comitê avalia que a dinâmica salarial permanece originando pressões inflacionárias de custos”, diz a ata.


“Nesse contexto, o Copom entende ser apropriada a continuidade do ritmo de ajuste das condições monetárias [aumento da taxa Selic] ora em curso”, acrescenta a ata.


O Copom reiterou ainda que, em momentos como o atual, é necessário manter-se “especialmente vigilante, de modo a minimizar riscos de que níveis elevados de inflação como o observado nos últimos doze meses persistam no horizonte relevante para a política monetária”.

Jornal Midiamax