Geral

Vou ter que me reinventar, escreve Dirceu após voto por condenação

“Eu vou ter que me reinventar”, escreveu José Dirceu na noite de quarta-feira a um amigo por e-mail, após ouvir o relator do mensalão, ministro Joaquim Barbosa, pedir sua condenação por corrupção e chamá-lo de “mandante” de um esquema de compra de apoio político. No e-mail, ao qual a Reuters teve acesso, o ex-ministro-chefe da […]

Arquivo Publicado em 06/10/2012, às 12h43

None

“Eu vou ter que me reinventar”, escreveu José Dirceu na noite de quarta-feira a um amigo por e-mail, após ouvir o relator do mensalão, ministro Joaquim Barbosa, pedir sua condenação por corrupção e chamá-lo de “mandante” de um esquema de compra de apoio político.


No e-mail, ao qual a Reuters teve acesso, o ex-ministro-chefe da Casa Civil diz que uma condenação pelo Supremo Tribunal Federal (STF), sobre a qual tinha poucas dúvidas, era “mais um desafio” para um ex-guerrilheiro que ajudou a construir “o maior partido do Brasil” – ex-presidente do PT, foi ele o artífice das alianças que levaram Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência em 2002.


Sete anos depois de deixar o Planalto, Dirceu mantém influência no governo, no partido e a adoração de militantes – sentimento que parece só ter crescido após a crise do chamado mensalão, que o tirou do poder.


Afastado oficialmente dos palcos da política desde 2005, quando deixou a Casa Civil e teve seu mandato de deputado cassado em meio à crise do mensalão, agora em julgamento no STF, Dirceu nunca se distanciou da articulação política, nem deixou de exercer seu papel de liderança no PT.


As razões da manutenção do seu poder e influência enquanto outros nomes históricos do partido se afastaram, está, segundo pessoas próximas e até mesmo desafetos, na obstinação e disciplina do ex-guerrilheiro, que chegou a fazer uma cirurgia plástica no exílio em Cuba para voltar ao País clandestinamente durante a ditadura militar (1964-1985).


“O trabalho, a competência, a liderança de Dirceu foram a base da aliança que elegeu Lula. No governo, sua capacidade de trabalho e visão política fizeram dele um “primeiro-ministro de fato”. Era o candidato natural à sucessão de Lula, daí esta denúncia contra ele”, afirma o amigo e advogado Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, para quem nada se apurou contra Dirceu ao longo do processo.


Se tem amigos fiéis e admiradores no PT e na esquerda, Dirceu também acumulou ao longo dos anos inimigos no partido e entre siglas aliadas. Um deles, o ex-deputado petebista Roberto Jefferson, delatou o mensalão e foi o responsável por colocar Dirceu no centro das denúncias.


Na ação penal do mensalão, o maior processo da história do STF, Dirceu voltou aos holofotes como principal dos 37 réus do julgamento – segundo o Ministério Público Federal, o ex-ministro foi quem montou o esquema de compra de apoio político ao governo Lula no Congresso.


A Corte julga até a próxima semana as acusações de corrupção ativa, que têm Dirceu e os petistas Delúbio Soares e José Genoino entre os réus. Até a noite de quinta, três ministros já haviam condenado o núcleo e apenas um, o revisor Ricardo Lewandowski, inocentou Dirceu e Genoino.


“Por ironia, foi o Dirceu, na Casa Civil, quem teve a tarefa de procurar os dois primeiros indicados de Lula ao STF, Ayres Britto e Joaquim Barbosa”, lembra outra pessoa que conviveu com o petista no governo.


Primeiro-ministro


Em meio ao turbilhão que pode levá-lo à prisão, Dirceu não deixou de se dedicar aos problemas políticos de seu partido. Em um artigo em seu blog no início de setembro, enquanto o PT atacava o líder nas pesquisas em São Paulo, Celso Russomanno (PRB), Dirceu afirmou que o candidato era tarefa apenas para o segundo turno e o foco naquele momento para o PT precisava ser atacar o tucano José Serra para garantir a vaga na segunda fase da corrida eleitoral.


“Esta capacidade de análise, de ver a política tanto de cima quanto com lente de aumento, sempre fez de Dirceu uma liderança essencial”, disse outro aliado que integrou o primeiro escalão na mesma época em que Dirceu ocupou a Casa Civil.


Mesmo longe do Planalto, não deixou de lado as atividades políticas. “Nunca saí daqui”, disse ele ao final de 2010 em um evento no Planalto, ao ser perguntado por jornalistas como era estar de volta ao local. Uma prova disso foram as articulações, entre 2009 e 2010, para costurar as alianças regionais que ajudariam na vitória de sua substituta na Casa Civil, Dilma Rousseff, na eleição presidencial. Em poucos meses, viajou por quase todos os Estados do País, foi recebido por governadores e lideranças aliadas e de oposição.


Continuou a utilizar o conhecimento de quem, entre 1995 e 2002, dirigiu o PT com o único foco de levar o partido ao Planalto.”Ele dizimou as esquerdas mais radicais do partido, escolheu novas lideranças, reforçou tendências moderadas para unificar um partido que até então era um ajuntamento de forças individuais”, afirma um integrante de um partido aliado.


Alianças heterodoxas


Durante seus menos de três anos no Planalto, Dirceu teve embates com muitos aliados e chegou a desagradar Lula com seu estilo de comando na Casa Civil. O então ministro controlava o governo e era chamado de “primeiro-ministro”. As tensões, segundo integrantes do governo à época, eram geradas pela concentração de poder nas mãos de Dirceu e a visão de Lula de que a Casa Civil precisava gerir mais as ações do governo e ter menos funções políticas.


Além disso, relata um ex-ministro de Lula, Dirceu dava demonstrações de poder que desagradavam o ex-presidente, com viagens no helicóptero presidencial pelo País, conversas com empresários e negociações políticas com aliados. “Era quase como se o quarto andar do Planalto fosse uma entidade autônoma”, disse mais um integrante daquele governo, referindo-se ao local em que se localiza a Casa Civil. O gabinete do presidente fica no terceiro andar.


Em uma viagem de Lula ao exterior, segundo o relato de outro ocupante do primeiro escalão daquele governo, Dirceu convocou os ministros e até o vice-presidente, José Alencar, no exercício da Presidência e à época integrante do PL, para uma reunião, enfurecendo Lula.


Ao arquitetar as alianças que levaram Lula à Presidência depois de três tentativas frustradas, Dirceu construiu apoios até então pouco ortodoxos para o partido. Identificou, inclusive, que Alencar, um empresário mineiro ligado a um partido de direita, o então PL, era o melhor nome para o posto de vice – ao trazê-lo, com perfil conservador, acalmou parcelas da sociedade que temiam os efeitos do radicalismo do PT no governo.


“Nunca houve um presidente do PT com tanta capacidade de organização”, disse uma pessoa que já trabalhou com Dirceu.


Vida clandestina


Mineiro de Passa-Quatro, Dirceu começou sua militância política no movimento estudantil em 1965, foi preso no congresso da União Nacional dos Estudandes (UNE) em Ibiúna, em 1968, acabou solto no ano seguinte junto com outros presos, em troca da libertação do embaixador norte-americano Charles Elbrick, que havia sido sequestrado por grupos de esquerda.


Exilado em Cuba, recebeu treinamento de guerrilha, usou o codinome Daniel – pelo qual é chamado até hoje pelo líder cubano Fidel Castro. Fez uma plástica que alterou suas feições e voltou para uma vida clandestina no Brasil, onde foi viver no Paraná com uma mulher que só soube sua verdadeira identidade anos depois. Antes da Lei da Anistia, em 1979, retornou a Cuba e desfez a cirurgia.


Já no PT, construiu com Lula, que vinha do movimento sindical, uma parceria com base mais na complementaridade do que nas afinidades pessoais. Segundo ex-companheiros, um tinha o carisma popular, outro a capacidade de planejamento e disciplina.


Enquanto suas consultorias privadas pós-governo renderam denúncias de tráfico de influência, a forma como saiu da Câmara – sem renunciar, como outros acusados de participar do mensalão, foi cassado e perdeu o direito de concorrer até 2015 – e seus discursos para a militância lhe renderam a imagem de um mártir para muitos no partido.


“Até Lula pediu que ele renunciasse (ao mandato), mas pesou para ele a visão de que, enfrentando o processo de cassação até o fim, faria o que a militância esperava dele”, disse um amigo. Agora, com a crescente probabilidade de ser condenado pelo STF, e até preso, Dirceu se prepara para um novo capítulo de seu caminho político. Segundo uma pessoa próxima, ele não tem mais planos de concorrer a cargos públicos. Mas já colocou em curso outra frente de batalha: irá escrever um livro, em que quer relatar sua versão dos fatos sobre o escândalo do mensalão.


O mensalão do PT


Em 2007, o STF aceitou denúncia contra os 40 suspeitos de envolvimento no suposto esquema denunciado em 2005 pelo então deputado federal Roberto Jefferson (PTB) e que ficou conhecido como mensalão. Segundo ele, parlamentares da base aliada recebiam pagamentos periódicos para votar de acordo com os interesses do governo Luiz Inácio Lula da Silva. Após o escândalo, o deputado federal José Dirceu deixou o cargo de chefe da Casa Civil e retornou à Câmara. Acabou sendo cassado pelos colegas e perdeu o direito de concorrer a cargos públicos até 2015.


No relatório da denúncia, a Procuradoria-Geral da República apontou como operadores do núcleo central do esquema José Dirceu, o ex-deputado e ex-presidente do PT José Genoino, o ex-tesoureiro do partido Delúbio Soares, e o ex- secretário-geral Silvio Pereira. Todos foram denunciados por formação de quadrilha. Dirceu, Genoino e Delúbio respondem ainda por corrupção ativa.


Em 2008, Sílvio Pereira assinou acordo com a Procuradoria-Geral da República para não ser mais processado no inquérito sobre o caso. Com isso, ele teria que fazer 750 horas de serviço comunitário em até três anos e deixou de ser um dos 40 réus. José Janene, ex-deputado do PP, morreu em 2010 e também deixou de figurar na denúncia.


O relator apontou também que o núcleo publicitário-financeiro do suposto esquema era composto pelo empresário Marcos Valério e seus sócios (Ramon Cardoso, Cristiano Paz e Rogério Tolentino), além das funcionárias da agência SMP&B Simone Vasconcelos e Geiza Dias. Eles respondem por pelo menos três crimes: formação de quadrilha, corrupção ativa e lavagem de dinheiro.


A então presidente do Banco Rural Kátia Rabello e os diretores José Roberto Salgado, Vinícius Samarane e Ayanna Tenório foram denunciados por formação de quadrilha, gestão fraudulenta e lavagem de dinheiro. O publicitário Duda Mendonça e sua sócia, Zilmar Fernandes, respondem a ações penais por lavagem de dinheiro e evasão de divisas. O ex-ministro da Secretaria de Comunicação (Secom) Luiz Gushiken é processado por peculato. O ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato foi denunciado por peculato, corrupção passiva e lavagem de dinheiro.


O ex-presidente da Câmara João Paulo Cunha (PT-SP) responde a processo por peculato, corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A denúncia inclui ainda parlamentares do PP, PR (ex-PL), PTB e PMDB. Entre eles o próprio delator, Roberto Jefferson.


Em julho de 2011, a Procuradoria-Geral da República, nas alegações finais do processo, pediu que o STF condenasse 36 dos 38 réus restantes. Ficaram de fora o ex-ministro da Comunicação Social Luiz Gushiken e do irmão do ex-tesoureiro do Partido Liberal (PL) Jacinto Lamas, Antônio Lamas, ambos por falta de provas.


A ação penal começou a ser julgada em 2 de agosto de 2012. A primeira decisão tomada pelos ministros foi anular o processo contra o ex-empresário argentino Carlos Alberto Quaglia, acusado de utilizar a corretora Natimar para lavar dinheiro do mensalão. Durante três anos, o Supremo notificou os advogados errados de Quaglia e, por isso, o defensor público que representou o réu pediu a nulidade por cerceamento de defesa. Agora, ele vai responder na Justiça Federal de Santa Catarina, Estado onde mora. Assim, restaram 37 réus no processo

Jornal Midiamax