Geral

Veterinários do CRAS tentam salvar jaguatirica atacada por cães

A jaguatirica recolhida na segunda-feira pela Polícia Militar Ambiental (PMA) em Itaporã e levada para Hospital Veterinário de Dourados chegou ao Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (CRAS), na Capital, por volta das 14 horas desta sexta-feira (26). Veterinários tentam salvar o animal, que está extremamente magro, debilitado e com dificuldade de locomoção. O felino […]

Arquivo Publicado em 26/10/2012, às 19h19

None
1621014078.jpg

A jaguatirica recolhida na segunda-feira pela Polícia Militar Ambiental (PMA) em Itaporã e levada para Hospital Veterinário de Dourados chegou ao Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (CRAS), na Capital, por volta das 14 horas desta sexta-feira (26). Veterinários tentam salvar o animal, que está extremamente magro, debilitado e com dificuldade de locomoção.



O felino é um macho adulto. Em função das más condições físicas, um dos primeiros procedimentos foi alimentar a jaguatirica. O trabalho precisou ser feito de forma cuidadosa. O médico veterinário Álvaro Cavalcante explica que foi administrada uma quantidade limitada de carne, de cerca de 150 gramas, em pequenas porções, com o uso de uma pinça. Ela também está muito desidratada, por isso recebeu soro energético e de hidratação, de forma intravenosa e subcutânea.



A avaliação é que o animal precisa com urgência de uma transfusão de sangue. O procedimento deverá ser feito neste sábado, e a equipe espera que ele resista à sedação. A intenção é coletar o sangue de outra jaguatirica que está sob cuidados no CRAS.



Embora não aparente ferimentos externos, o grau de debilidade do animal é alto. Os veterinários acreditam que o felino pode ter ficado muito tempo no local em que foi encontrado, e também pode estar com algum tipo de verminose.



A jaguatirica foi encontrada em Itaporã, escondida em uma manilha de água. Segundo a PMA, ela ficou acuada no local após ser atacada por cachorros. O animal foi recolhido e levado para o hospital veterinário da universidade Unigran, de onde foi trazida para o Centro de Reabilitação, em Campo Grande.


Jornal Midiamax