Geral

Sem shows, parque infantil vira principal atração da Expogrande 2012

Com cancelamento dos shows, as famílias são público preponderante pelos corredores do Parque de Exposições Laucídio Coelho

Arquivo Publicado em 15/04/2012, às 20h03

None

Com cancelamento dos shows, as famílias são público preponderante pelos corredores do Parque de Exposições Laucídio Coelho

A 74ª edição da Expogrande está com público reduzido esse ano e privilegia o passeio em família. Como os shows foram vetados por conta de decisão judicial – a Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul) não conseguiu obter a licença ambiental referente ao som – o parque de diversões virou a principal atração nesse domingo. As famílias campo-grandenses aproveitaram a tarde para passear e visitar alguns stands de animais.

Para a gerente de vendas, Eliane Nogueira, que estava com o marido e filhos, a questão do cancelamento dos shows facilitou a diversão. “Sem os shows não tem aquele tumulto e a gente pode aproveitar melhor o passeio com nossos filhos”, afirmou. Já para o marido de Eliane, o pintor de automóveis, Adir Nogueira, a exposição, no domingo a tarde, não tem muita diferença dos anos anteriores.

Mas as opiniões divergem. A funcionária de serviços gerais, Cristiane Freitas, que levou os filhos e sobrinhos para um passeio na tarde desse domingo, disse que foi apenas por conta das crianças. “Para eles é novidade e estão aproveitando. Mas eu acho que quando tinham os shows era muito melhor. As pessoas que vem de fora para cá, chegam e vêem esse lugar assim, vazio”, destacou.

Contudo, segundo a administradora, Glauce Maneta, a redução de público não afetou somente os visitantes. “Até os leilões onde nós estávamos agora estão parados, se comparado com ao ano passado. Viemos passear com a família e da para perceber que esse ano não tem muito movimento”, declarou.

A organização ainda não tem os números oficiais e esse ano, segundo a assessoria de imprensa, vai ser um pouco mais complicado determinar a quantidade de público, já que não há venda de ingressos. Mesmo assim, a Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul), espera movimentar uma média de R$ 120 milhões. A feira segue até o dia 22, com leilões, palestras, stands de empresas, atrativos turísticos, festival da música sertaneja, danças e apresentações diárias, competição de laço, bailes e comidas típicas de vários municípios. A entrada é gratuita.

Jornal Midiamax