Geral

Sem mirar Seleção, Luxemburgo dá a receita para Neymar ser o craque

Marcado por uma polêmica passagem no comando da Seleção Brasileira no final do século passa, Vanderlei Luxemburgo afirmou em entrevista ao programa Bem, Amigos, do canal SporTV, que deixou o sonho de comandar o Brasil no passado, mas aproveitou para receitar a fórmula do sucesso para Neymar e companhia na Copa do Mundo de 2014. […]

Arquivo Publicado em 18/09/2012, às 01h55

None

Marcado por uma polêmica passagem no comando da Seleção Brasileira no final do século passa, Vanderlei Luxemburgo afirmou em entrevista ao programa Bem, Amigos, do canal SporTV, que deixou o sonho de comandar o Brasil no passado, mas aproveitou para receitar a fórmula do sucesso para Neymar e companhia na Copa do Mundo de 2014.

“Não tenho mais ambição de ir para a Seleção. Antes, deixei de ir para o Deportivo La Coruña-ESP porque tinha isso como objetivo. Hoje não tenho mais. A minha Copa do Mundo me tiraram. Foi o Felipão, que ganhou, mas aquela era minha Copa, era meu melhor momento profissional. Se me convidarem um dia, vou discutir como um profissional de futebol, se me agradar, vou discutir”, revelou o atual treinador do Grêmio.

Apesar de manter uma certa distância do assunto Seleção, até por respeito a Mano Menezes, Luxemburgo confia em Neymar para liderar o Brasil na busca pelo hexacampeonato em 2014, mas lembra que o craque do Santos ainda precisa evoluir em alguns aspectos.

“Existe uma proteção muito grande da mídia e dos juízes. Ele pode receber uma marcação e uma marcação dura. Não vai acrescentar nada para ele sair agora. Ele tem que se tornar ídolo e ser respeitado aqui. Ele simula falta toda hora, alguém precisa chegar nele e falar isso. O capitão da Seleção tem que dar uma dura nele quando cair, tem que pedir para ele jogar bola”, analisou.

Depois das críticas ao santista, com quem trabalhou em 2009 e chegou a chamá-lo de “filé de borboleta”, o técnico do Grêmio resolveu elogiar Neymar, que, segundo ele, tem condições de ganhar o prêmio de melhor do mundo ainda atuando no futebol brasileiro.

“Ele está entre os três melhores do mundo, mas ainda não tem essa responsabilidade, precisamos achar alguma coisa para protegê-lo. Tem hora que ele precisa ‘deixar de jogar’, fazer igual Zico, Pelé e Messi. Pegar a bola e tocar, nem sempre ele vai poder correr com a bola. É um garoto que eu adoro. Vai ser o melhor do mundo e tomara que ainda jogando aqui no Brasil. Não sei se é uma utopia, mas seria fantástico”, finalizou.

Jornal Midiamax