Geral

Secretaria abre sindicância para apurar comportamento de professor e diretora de escola

A Semed/MS (Secretaria Municipal de Educação) já encaminhou para a assessoria jurídica da Prefeitura o processo que investiga o caso de nepotismo, envolvendo a diretora e o seu filho que atuava na Escola Municipal Plínio Barbosa Martins, no bairro, em Campo Grande. De acordo com o Secretário Municipal de Educação, Volmar Vicente Filippin, assim que […]

Arquivo Publicado em 30/11/2012, às 12h07

None

A Semed/MS (Secretaria Municipal de Educação) já encaminhou para a assessoria jurídica da Prefeitura o processo que investiga o caso de nepotismo, envolvendo a diretora e o seu filho que atuava na Escola Municipal Plínio Barbosa Martins, no bairro, em Campo Grande.


De acordo com o Secretário Municipal de Educação, Volmar Vicente Filippin, assim que ficou caracterizado o crime de nepotismo, o professor M.T.B. foi afastado. “Todo o problema está sendo analisado. Era um professor convocado e provavelmente a sua exoneração já foi publicada”, afirma o secretário.


Ao todo, de acordo com o secretário, cerca de 1,5 mil professores foram convocados este ano. “Nós damos autonomia para as escolas e não sabemos das ligações de parentesco, diferente de quando se trata de um professor efetivo. Porém, o fato agora fica registrado e vamos discutir a questão da contratação”, avalia o secretário.


De acordo com o secretário, este é o primeiro caso de nepotismo que a Semed/MS tomou conhecimento este ano. E sobre a situação do professor Reomar Borges Nogueira, 39 anos, que denunciou o crime, o secretário garante que ele continua afastado até que seja apurado o seu comportamento na escola.


”Existem uma série de atas que falam sobre atitudes errôneas do professor Reomar desde 2009. Então vamos analisar tudo o que foi registrado para verificar se ele continua ou não na escola”, conclui o secretário.


O caso de nepotismo foi denunciado em exclusividade pelo Midiamax na última terça-feira (27). Na ocasião inúmeros comentários deram conta que o fato seria comum na cidade, além da coação moral destes profissionais, principalmente para aqueles em estado probatório.

Jornal Midiamax