Geral

‘Precisamos combater a pedofilia com rigor’, afirma deputado

Para combater a pedofilia em Mato Grosso do Sul, o deputado estadual Laerte Tetila (PT) solicitou, nesta quinta-feira, na Assembleia Legislativa, que o Governo do Estado crie uma divisão Anti-Pedofilia na estrutura orgânica do Departamento de Polícia de Investigação de Crime Organizado (DECO) da Polícia Civil. Essa força de elite trataria da prevenção e do […]

Arquivo Publicado em 06/12/2012, às 20h13

None

Para combater a pedofilia em Mato Grosso do Sul, o deputado estadual Laerte Tetila (PT) solicitou, nesta quinta-feira, na Assembleia Legislativa, que o Governo do Estado crie uma divisão Anti-Pedofilia na estrutura orgânica do Departamento de Polícia de Investigação de Crime Organizado (DECO) da Polícia Civil. Essa força de elite trataria da prevenção e do combate direto à pedófilos que ameaçam a segurança das famílias.



A pedofilia é, atualmente, um dos crimes mais cometidos no mundo, e isso se evidencia a cada novo caso noticiado pela mídia, envolvendo o abuso de crianças e adolescentes. De acordo com a ONG Safarnet, que cuida de crimes virtuais, 76% dos pedófilos do mundo estão no Brasil.



Já o Governo Federal atesta que apesar de todas as campanhas, cerca de mil novos sites de pedofilia são criados todos os meses no Brasil. Em Mato Grosso do Sul, foram 41 casos de pedofilia registrados em 2011. Até novembro do ano passado, 37 crianças foram vítimas do crime. Somente em Campo Grande, dois casos foram registrados. Este ano, até novembro, foram oito casos na capital e 19 em todo o Estado, de acordo com as estatísticas registradas pelo sistema da polícia.



E é por isso, para fechar o cerco contra os criminosos, que Tetila propôs a criação da força de elite. “Hoje não há, oficialmente, um destacamento para se dedicar, exclusivamente, ao enfrentamento das ações dos pedófilos. Confio no DECO e no trabalho de investigação da Polícia Civil. Seria um avanço no nosso serviço de inteligência preventiva, que já é um dos melhores do Brasil, mas que pode ser aperfeiçoado para proteger nossas crianças”, destacou Tetila.


Jornal Midiamax