Geral

Partidos com mandato estacionam e ficarão menores que novatos na Capital

A eleição deste ano provocará mudança na representatividade dos partidos na Câmara de Campo Grande em 2013. A disputa fez alguns partidos como PSB, PDT, PSC e DEM estacionarem e continuarem com um único representante. Por outro lado, nanicos, como PTdoB e PSD conquistaram três vagas. Os quatro partidos, que antes da eleição diziam que pensariam […]

Arquivo Publicado em 09/10/2012, às 18h42

None

A eleição deste ano provocará mudança na representatividade dos partidos na Câmara de Campo Grande em 2013. A disputa fez alguns partidos como PSB, PDT, PSC e DEM estacionarem e continuarem com um único representante. Por outro lado, nanicos, como PTdoB e PSD conquistaram três vagas.

Os quatro partidos, que antes da eleição diziam que pensariam bem em quais alianças fazer para eleger mais de um representante, acabaram ficando na mesma, sem aumentar a representatividade. Assim, em 2013, correm o risco de serem menos valorizados do que os novatos em 2013. O número de representantes tem bastante peso, visto que o prefeito precisa de votos para aprovar projetos na Câmara.

Entre os novatos, destaca-se o PSD, que elegeu três vereadores, e o PSL, com dois representantes eleitos. O PRB e o PTB também elegeram um vereador. Com a boa votação, o PSD e o PTdoB, que saltou de um para três vereadores, estarão com uma bancada igual a do PT e maior do que a do PSDB, que só terá dois vereadores em 2013.

Os partidos antes considerados pequenos na Capital, só perderão para o PMDB, que elegeu cinco vereadores. O PP também conseguiu ampliar o número de representantes, elegendo dois vereadores, mesmo com a desistência do vereador Lídio Lopes (PP).

O presidente municipal do PDT, vereador Paulo Pedra, disse que faltou votos para eleger os demais. Ele conta que o segundo mais votado de seu partido não chegou a dois mil. O vereador Carlão, presidente municipal do PSB, concorda com Pedra e afirmou que o partido teve “candidatos fracos”. Carlão ainda reclamou da falta de dinheiro para fazer campanha.

Jornal Midiamax