Geral

Oposição do Egito afirma que houve fraude em referendo

O principal grupo de oposição do Egito exigiu uma investigação do referendo que aprovou a polêmica Constituição do país. Resultados não oficiais anunciados pela imprensa estatal egípcia após duas rodadas de votação, concluídas no sábado, sugerem que cerca de 63% dos eleitores aprovaram a nova Carta. O comparecimento foi estimado em 30% dos votantes em […]

Arquivo Publicado em 23/12/2012, às 23h30

None

O principal grupo de oposição do Egito exigiu uma investigação do referendo que aprovou a polêmica Constituição do país.



Resultados não oficiais anunciados pela imprensa estatal egípcia após duas rodadas de votação, concluídas no sábado, sugerem que cerca de 63% dos eleitores aprovaram a nova Carta.



O comparecimento foi estimado em 30% dos votantes em um total de cerca de 25 milhões de egípcios aptos a votar.



Mas, a Frente de Salvação Nacional pediu que a comissão eleitoral do país investigasse “irregularidades” no referendo que, de acordo com os opositores, foi marcado por “fraudes e violações”.



Entre os problemas apontados pelo grupo estão zonas eleitorais abrindo muito tarde e islamistas tentando influenciar os eleitores.



“Estamos pedindo que a comissão investigue as irregularidades antes do anúncio dos resultados oficiais”, afirmou o porta-voz da Frente de Salvação Nacional Amr Hamzawy, em uma entrevista coletiva no Cairo.



Outro porta-voz do grupo, Khaled Daoud, disse à BBC que a Frente de Salvação Nacional não vai contestar o resultado, que acredita que seria mesmo o “sim” à nova Carta, mas, segundo ele, ocorreram “fraudes graves”.



O grupo reclamou que não havia a supervisão jurídica necessária para o referendo, já que muitos juízes anunciaram um boicote à votação.



Os críticos da proposta de Constituição dizem que o documento, que gerou fortes protestos populares, trai os ideais das revolução que derrubou o ex-presidente Hosni Mubarak, no início do ano passado.



Os simpatizantes do presidente Mohammed Morsi, em sua maioria muçulmanos, afirmam que a nova Constituição garantirá a democracia e ajudará a manter a estabilidade.



Os resultados oficiais só devem ser divulgados nesta segunda-feira, após a análise de possíveis apelos.



Se a aprovação da Constituição for confirmada, novas eleições parlamentares deverão ocorrer em três meses.



“Mais uma batalha”



Antes do anúncio dos resultados não oficiais, grupos de oposição já tinham admitido que o “sim” venceria, mas acrescentaram que continuariam com a campanha contra a proposta da Constituição.



“O referendo não é o fim do caminho. É apenas mais uma batalha. Vamos continuar lutando pelo povo egípcio”, afirmou Abdel Ghaffer Shokr, membro da Frente de Salvação Nacional, à agência de notícias France Presse.



Entre os que rejeitam os termos da Carta, o temor é de excessivo poder aos islamitas, em detrimento de cristãos e seculares. Muitos alegam também que o texto não oferece proteções às liberdades religiosa e de expressão e respeito aos direitos humanos, motivações que estiveram por trás da derrubada de Mubarak.



Além disso, grupos de direitos humanos dizem que falta um compromisso claro em promover a igualdade entre homens e mulheres, o fim das prisões arbitrárias e da tortura.



Muitos temem que, mesmo terminado o pleito, apoiadores e detratores da Irmandade Muçulmana protagonizem novas cenas de violência.



A última onda de violência no Egito começou depois que o presidente Mohammed Morsi tirou, através de um decreto, o poder do Judiciário de desafiar suas decisões, no dia 22 de novembro.



Depois de muita revolta, o presidente revogou a maior parte do decreto, mas não recuou nos termos da proposta da Constituição.



O texto foi aprovado às pressas por uma Assembleia Constituinte dominada por islamitas.



Oposição e partidários de Morsi organizaram grandes manifestações que, em alguns casos, acabaram em confrontos violentos.


Jornal Midiamax