Geral

Governo repassa recursos para atender pessoas com transtornos mentais e usuários

O Ministério da Saúde repassará R$ 6 milhões para o Distrito Federal e oitos estados – Alagoas, Amazonas, Pará, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo – investirem nos centros de Atenção Psicossocial (Caps). Os recursos serão aplicados no atendimento a pacientes com transtornos mentais e usuários de crack, […]

Arquivo Publicado em 03/09/2012, às 12h40

None

O Ministério da Saúde repassará R$ 6 milhões para o Distrito Federal e oitos estados – Alagoas, Amazonas, Pará, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo – investirem nos centros de Atenção Psicossocial (Caps).


Os recursos serão aplicados no atendimento a pacientes com transtornos mentais e usuários de crack, álcool e outras drogas. A Portaria n° 1.874, assinada pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha, está na edição de hoje (3) do Diário Oficial da União.


Os centros regionais de referência em crack e outras drogas capacitam profissionais de saúde para o atendimento aos usuários e dependentes. No caso dos médicos, eles são submetidos a cursos, assim como os demais profissionais de saúde são orientados sobre o processo de desintoxicação em hospitais e clínicas.


Para agentes comunitários de saúde, o curso é direcionado ao atendimento das pessoas que estão nas ruas. Paralelamente, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, tem reiterado que o governo atua para intensificar a segurança nas regiões fronteiriças. O objetivo, segundo ele, é a adotar uma política pública baseada nos pilares da “repressão, do tratamento clínico e da reinserção social”.


Cardozo disse que o dependente químico deve ser tratado, sob o ponto de vista clínico e social, para ser reinserido na sociedade. Para o ministro Alexandre Padilha, o tratamento aos dependentes químicos deve envolver todas as áreas do governo com apoio dos ministérios da Justiça, Educação e do Desenvolvimento Social, além do da Saúde.


Segundo Padilha, o plano não deve ser “só um anúncio de ações, mas [tem que incluir]medidas acontecendo de imediato”. Para ele, é fundamental também o apoio dos estados, por meio de medidas como a fiscalização de motoristas que consomem álcool antes de dirigir.

Jornal Midiamax