Geral

Europeus discutem se querem continuar com integração monetária, diz professor da Universidade da Califórnia

O professor Barry Eichengreen, da Universidade de Califórnia, disse hoje (24) que os europeus estão discutindo se querem continuar com a integração monetária. Eichengreen participou do encerramento do seminário O Brasil e o Mundo em 2022, evento que fez parte das comemorações dos 60 anos do BNDES. “Eles estão mais inclinados a andar para trás […]

Arquivo Publicado em 24/07/2012, às 23h24

None

O professor Barry Eichengreen, da Universidade de Califórnia, disse hoje (24) que os europeus estão discutindo se querem continuar com a integração monetária. Eichengreen participou do encerramento do seminário O Brasil e o Mundo em 2022, evento que fez parte das comemorações dos 60 anos do BNDES.


“Eles estão mais inclinados a andar para trás do que para a frente, depois de 50 anos de integração regional. Agora, será que podemos pensar em escala global ou devemos nacionalizar algumas áreas? O que é difícil são os detalhes e se a intervenção estatal pode ser uma coisa boa”, disse Eichengreen.


Também no encerramento do seminário, o professor colombiano José Antônio Ocampo, ex-secretário da ONU para assuntos econômicos e sociais e ex-ministro das Finanças da Colômbia, disse que o mundo precisa de regras globais mais rigorosas e fortes para enfrentar o atual estado de globalização e da crise financeira.


“É importante discutir como desfazer o mercado comum de finanças, já que o euro não conseguiu integrar os mercados financeiros da Europa. Os países industriais têm problemas e nós temos uma chance verdadeira agora, em que os mercados emergentes vão se tornar a fonte do crescimento”.


Ocampo defendeu, ainda, um acordo sobre mudanças climáticas, que precisa ser pensado para os próximos dez anos, com regras globais rígidas.


China – O chinês Fan Gang, diretor do Instituto Chinês de Pesquisas Econômicas, disse que não vê a China como uma superpotência e que seu país não está na posição de ensinar nada para o Brasil em termos de desenvolvimento.


“A China tem muito chão pela frente. Não passamos por muita coisa ainda na transição social e política, muita coisa que o Brasil já passou. A vantagem de chegar depois é que podemos aprender todas as lições com os países mais avançados”, disse.


Gang disse que, a princípio, não acreditava na formação do bloco Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), pela falta de unidade entre esses países, mas, agora, percebe a importância da união dos países emergentes para coordenar suas posições nos mercados globais, fazendo o sistema refletir essa nova realidade, com os mercados emergentes ganhando um novo papel na economia global.


“Quebramos o centro e o mundo realmente está mudando. Eu diria que a China tem sorte de ser parte dessa nova tendência de mercados emergentes e os Brics possam tomar vantagem disso tudo”.

Jornal Midiamax