Geral

“Ele ainda escuta o barulho das celas”, diz advogado de homem que matou segurança

Ainda assim, o jovem tenta retomar a rotina que possuía antes do acidente, voltando a trabalhar no mesmo escritório de contabilidade e com planos para retomar a faculdade de Direito, no início do próximo ano.

Arquivo Publicado em 09/12/2012, às 11h30

None
1600034213.jpg

Ainda assim, o jovem tenta retomar a rotina que possuía antes do acidente, voltando a trabalhar no mesmo escritório de contabilidade e com planos para retomar a faculdade de Direito, no início do próximo ano.

Um mês após a liberdade, Richard Ildvan Gomides Lima, 22 anos, homem que atropelou em alta velocidade e matou um segurança na avenida Afonso Pena, em Campo Grande, ainda se sente recluso.


“Ele não consegue dormir e acorda a todo o momento escutando o barulho das celas batendo. Por isso está fazendo tratamento e sessões de terapia”, diz o advogado José Roberto Rodrigues da Rosa.


Ainda assim, o jovem tenta retomar a rotina que possuía antes do acidente, voltando a trabalhar no mesmo escritório de contabilidade e com planos para retomar a faculdade de Direito, no início do próximo ano.


“Outro aspecto excelente foi a reaproximação dele com o pai após a prisão”, comenta o advogado, relembrando o momento que os dois se abraçaram na saída de Richard do presídio, no dia 7 de novembro.


Richard já cumpriu a pena, mas ainda possui obrigações com a Justiça. Ele não pode se mudar, dirigir e nem sair da cidade sem pedir autorização, entre outras condições.


Acidente fatal


O estudante trafegava na avenida Afonso Pena, em frente ao Shopping Campo Grande, sentido centro-bairro, quando matou o segurança David Del Vale Antunes, 31 anos, na madrugada do dia 31 de maio.


Na ocasião ele estava em seu veículo Punto vermelho e a vítima parada em um semáforo no cruzamento em frente ao Shopping Campo Grande.


O caso teve grande repercussão na Capital, principalmente pela vítima ter sido arremessada e parar a 38 metros do local da batida e a moto a 57 metros, de acordo com o que foi dito por policiais na ocasião.


Após o acidente, Richard ainda tentou fugir do local, mas seu carro parou de funcionar a cerca de 250 metros da batida. A guarnição chegou ao local logo em seguida e prendeu em flagrante o motorista, que estava em visível estado de embriaguez.

Jornal Midiamax