Geral

Dezesseis capitais devem esperar segundo turno para definir prefeitos

A maioria das capitais deverá ter uma segunda rodada de votação para escolher o prefeito na eleição deste ano, incluindo São Paulo, maior colégio eleitoral do país, e outras cidades importantes, casos de Fortaleza e Salvador. Das 24 capitais com mais de 200 mil habitantes, e que portanto têm segundo turno caso um dos candidatos […]

Arquivo Publicado em 06/10/2012, às 19h20

None

A maioria das capitais deverá ter uma segunda rodada de votação para escolher o prefeito na eleição deste ano, incluindo São Paulo, maior colégio eleitoral do país, e outras cidades importantes, casos de Fortaleza e Salvador.

Das 24 capitais com mais de 200 mil habitantes, e que portanto têm segundo turno caso um dos candidatos não alcance mais da metade dos votos válidos no próximo domingo, 16 devem retornar às urnas no dia 28 de outubro para definir os vencedores, considerando as pesquisas mais recentes.

Somente Palmas e Boa Vista são capitais que não têm segundo turno.

Partidos que protagonizam o maior antagonismo da política brasileira nas últimas décadas, PT e PSDB devem se enfrentar diretamente no segundo turno em João Pessoa e Rio Branco, onde os candidatos dos dois partidos estão na frente nas pesquisas.

Mas, a queda livre do candidato do PRB, Celso Russomanno, nas pesquisas de intenção de voto em São Paulo pode determinar um enfrentamento direto entre PT e PSDB na maior disputa municipal do país.

José Serra (PSDB) e Fernando Haddad (PT), que disputavam até a semana passada cabeça a cabeça um lugar no segundo turno contra Russomanno, veem agora o enfraquecimento do eleitorado do candidato do PRB e podem até mesmo ultrapassá-lo, transformando a eleição da capital paulista em mais um capítulo do histórico embate entre tucanos e petistas.

O enfrentamento direto entre PT e PSDB por uma vaga no segundo turno, porém, fica restrito a essas capitais. O que não quer dizer que eles não sejam os principais adversários mesmo em capitais onde não apenas participam das coligações do cabeça de chapa.

É o caso de Manaus, onde o PT está coligado com o PCdoB, da candidata Vanessa Graziottin, e quer derrotar um velho desafeto, o ex-senador Arthur Virgílio (PSDB). Situação parecida com Salvador, onde o PSDB apoia ACM Neto (DEM) e se esforça para vencer a disputa contra o petista Nelson Pelegrino e evitar que o governo estadual e a capital fiquem sob o comando do PT.

Jornal Midiamax