Geral

Bovespa ganha 3,25% na primeira semana do ano; dólar vai a R$ 1,851

Dólar comercial sobe no dia, mas perde quase 1% na semana e a Bolsa brasileira fechou praticamente estável nesta sexta-feira (6)

Arquivo Publicado em 06/01/2012, às 22h36

None

Dólar comercial sobe no dia, mas perde quase 1% na semana e a Bolsa brasileira fechou praticamente estável nesta sexta-feira (6)

A Bolsa brasileira fechou praticamente estável nesta sexta-feira (6), após ter oscilado ao longo do dia, com investidores fazendo realocações de recursos e de olho em um encontro entre o presidente francês, Nicolas Sarkozy, e a chanceler alemã, Ângela Merkel, na próxima segunda-feira. No acumulado da semana, porém, a Bovespa registrou valorização acentuada.


O Ibovespa, principal índice de ações na Bolsa paulista, fechou o dia com leve alta de 0,09%, aos 58.600,37 pontos. O giro financeiro da sessão foi de R$ 4,5 bilhões. Na semana, porém, a Bovespa acumulou ganhos de 3,25%.


Dólar comercial sobe no dia, mas perde quase 1% na semana
O dólar comercial registrou alta no dia, mas ainda assim conseguiu fechar a primeira semana de 2012 perdendo quase 1% ante o real. As preocupações com a Europa ditaram a nova alta do dólar, em linha com o movimento da moeda no exterior, que ganhou fôlego extra por dados melhores que o esperado sobre a economia dos Estados Unidos.


A moeda norte-americana terminou o dia com elevação de 0,55%, cotada a R$ 1,851 na venda. Na semana, porém, o dólar desvalorizou 0,94% em relação à moeda brasileira.


Ações de destaque na Bovespa
Entre as blue chips domésticas, a ação preferencial da Petrobras (PETR4) ficou em linha com o Ibovespa, subindo 0,09%, a R$ 22,33, enquanto a da Vale (VALE5) caiu 0,75%, a R$ 39,46.


Segundo o analista João Luiz Piccioni, da Petra Asset, muito da movimentação na Bolsa paulista deveu-se ao noticiário corporativo.


“Houve notícias relevantes da Gerdau e todo o setor ficou mais motivado”, citando a notícia de que a Tarpon Investimentos passou a deter 15,33% do total de ações preferenciais da companhia. O papel da companhia subiu 0,96%, a R$ 15,80.


Hypermarcas (HYPE3) registrou a maior alta do índice, de 9,04%, a R$ 10,25, após notícia divulgada na imprensa de que o banco BTG Pactual estaria negociando a entrada no bloco de controle da empresa.


Na outra ponta, Banco do Brasil (BBAS3) registrou a maior queda, de 2,52%, a R$ 23,21. Nesta sexta-feira, a agência de classificação de risco Standard & Poor’s atribuiu rating “BB” ao bônus perpétuo proposto pelo banco.


Bolsas internacionais
As ações europeias terminaram o pregão desta sexta-feira (6) com discretas variações, com muitos investidores felizes por fecharem posições depois de três semanas de ganhos, antes do início da temporada de balanços do quarto trimestre nos Estados Unidos, na segunda-feira.
O índice FTSEurofirst 300, referência para o mercado de ações da Europa, fechou com variação negativa de 0,04%, aos 1.013 pontos, de acordo com números preliminares, e em alta de 1,2% na semana, que viu dados encorajadores dos Estados Unidos e da China ofuscarem momentaneamente as preocupações com a zona do euro.


As Bolsas de Valores asiáticas fecharam em baixa, enquanto o euro atingiu uma nova mínima em 16 meses contra o dólar por preocupações sobre o prejuízo que a crise de dívida da zona do euro está causando aos bancos.


As financeiras se enfraqueceram em geral, com os problemas da Europa reduzindo a confiança, embora os bancos asiáticos não tenham a mesma exposição que os bancos europeus aos ativos tóxicos da zona do euro.


O euro caiu a US$ 1,276, o menor valor desde setembro de 2010.


Com informações da Reuters


Jornal Midiamax