Geral

Bento XVI pede paz no Oriente Médio em sua 1ª visita ao Líbano

O papa Bento XVI pediu nesta sexta-feira no Líbano a paz e a irmandade dos povos da região, onde desejou que os cristãos permaneçam, durante a firma da Exortação Pós-sinodal (documento final) do Sínodo de Bispos para o Oriente Médio de 2010. “Que todos os povos da região vivam em paz, irmandade e liberdade religiosa”, […]

Arquivo Publicado em 14/09/2012, às 18h36

None

O papa Bento XVI pediu nesta sexta-feira no Líbano a paz e a irmandade dos povos da região, onde desejou que os cristãos permaneçam, durante a firma da Exortação Pós-sinodal (documento final) do Sínodo de Bispos para o Oriente Médio de 2010.


“Que todos os povos da região vivam em paz, irmandade e liberdade religiosa”, disse Bento XVI na basílica de São Paulo em Harissa, ao norte de Beirute, aonde chegou hoje em uma visita histórica de três dias, a primeira ao Líbano em seus sete anos de Pontificado.


Durante seu discurso, Joseph Ratzinger fez um convite ao diálogo “neste contexto difícil”: “Devemos celebrar a vitória do amor sobre o ódio. Convido-vos a não ter medo e conservar vossa fé”, ressaltou.


Nesse sentido, fez um apelo aos fiéis para que se aferrem à verdade nos países onde há divisões e feridas para recuperar a união.


“A tolerância deve triunfar sobre a vingança e a união sobre a divisão”, assegurou o papa, destacando que “este é um apelo insistente para que toda palavra se transforme em fato”.


O documento assinado hoje traz as propostas aprovadas pelos bispos no sínodo de 2010, onde rejeitaram que se recorra à Bíblia para justificar as “injustiças” e defenderam que os palestinos tenham um Estado próprio, na linha “dois povos, dois Estados” (Israel e Palestina), entre outros assuntos.


Nessa reunião se pediu, além disso, à comunidade internacional e aos países do Oriente Médio que não retrocedessem na busca da paz na região, uma conquista que o papa considerou que é “possível e urgente”.


O sumo pontífice explicou na basílica de São Paulo que a Exortação Pós-sinodal é dirigida a todo o Oriente Médio e sua primeira mensagem é indicar aos fiéis o que devem fazer nesta terra.
“A Igreja de Oriente deve viver sem temor porque Deus está nela para que pratique sua fé de forma efetiva”, disse Bento XVI.


O papa assinou o documento, que entregará aos bispos da região em uma missa em Beirute no próximo domingo, em um ato do qual participaram o presidente do Líbano, Michel Suleiman, bispos de todas as confissões – alguns vindos de Iraque e Egito -, várias personalidades políticas e 450 convidados.


Em seu discurso de boas-vindas, o patriarca melquita-católico, Gregorio III Laham, insistiu na necessidade de solucionar o conflito palestino-israelense, e assegurou que “o reconhecimento do Estado palestino preparará a via para uma verdadeira ”primavera árabe””.


Em sua chegada à basílica esta tarde, o papa recebeu a chave da aldeia de Darun-Harisa das mãos de seu prefeito, Antonie Chaker Chammal, e depois entrou no templo enquanto um coro entoava cantos bizantinos.


Um grande número de pessoas, portando bandeiras do Líbano e do Vaticano, seguia o ato do lado de fora, onde foram instaladas cadeiras.


A basílica de São Paulo em Harissa foi a primeira escala da viagem do papa pelo Líbano.
Sua visita ocorre em um clima de tensão na região por causa da crise na Síria e dos protestos contra embaixadas dos EUA e de outros países ocidentais, devido a um vídeo sobre o profeta Maomé, considerado blasfemo pelos muçulmanos.


De fato, na cidade libanesa de Trípoli, no norte, uma pessoa morreu e várias ficaram feridas nos distúrbios desencadeados pelos protestos contra o vídeo.


No mesmo aeroporto de Beirute, Bento XVI pediu, pouco após sua chegada, que se preserve o equilíbrio entre muçulmanos e cristãos no Líbano.


“É muito importante o equilíbrio entre cristãos e muçulmanos. É preciso preservá-lo e tem que ser ponderado”, solicitou Bento XVI.


Amanhã, o papa se reunirá com Suleiman; o presidente do Parlamento, Nabil Berri, e o primeiro-ministro Najib Mikati no Palácio de Baabda.


Depois, se reunirá com líderes das diferentes comunidades religiosas que convivem no Líbano, e pela tarde realizará um encontro com jovens libaneses na sede do patriarcado maronita em Bkerke, onde deve pronunciar um discurso.

Jornal Midiamax