Geral

Assembleia da Eletrobras aprova renovar concessões

O presidente da assembleia de acionistas da Eletrobras, Armando Casado de Araújo, que é diretor financeiro da companhia, declarou aprovação da renovação antecipada das concessões da empresa federal de energia que venceriam entre 2015 e 2017, em encontro na manhã desta segunda-feira (3). Mais cedo, o acionista majoritário da Eletrobras, o governo federal, votou pela […]

Arquivo Publicado em 03/12/2012, às 14h16

None

O presidente da assembleia de acionistas da Eletrobras, Armando Casado de Araújo, que é diretor financeiro da companhia, declarou aprovação da renovação antecipada das concessões da empresa federal de energia que venceriam entre 2015 e 2017, em encontro na manhã desta segunda-feira (3). Mais cedo, o acionista majoritário da Eletrobras, o governo federal, votou pela renovação antecipada das concessões da empresa.


O fundo norueguês Skagen, principal sócio minoritário da Eletrobras, votou contra a renovação em assembleia de acionistas nesta manhã. O encontro foi tumultuado, com uma série de minoritários alegando conflito de interesses no voto do governo federal.


O Conselho de Administração da Eletrobras tinha recomendado que os acionistas aprovassem a renovação antecipada das concessões da empresa, apesar da perda de receita anual de cerca de R$ 8,7 bilhões. Mas a renovação das concessões pela companhia já era esperada desde que a medida foi anunciada pela presidente Dilma Rousseff, em 11 de setembro, como parte do plano para reduzir a conta de luz no país, na média, em 20%, para aumentar a competitividade da indústria e estimular a economia.


Desde o anúncio das regras sobre a renovação das concessões as ações preferenciais da Eletrobras caíram quase 40% na Bovespa, até o fim de novembro.


Corte de custos


Para lidar com a perda de receita, a Eletrobras cortará custos operacionais e terá que ser mais rigorosa no cálculo do retorno nos leilões de novos projetos de geração e transmissão de energia. A companhia e suas subsidiárias foram responsáveis pela viabilização de grandes projetos polêmicos do setor elétrico, como a hidrelétrica de Belo Monte (PA), em um momento em que investidores privados estavam mais cautelosos em investir.


A Eletrobras receberá indenização mínima de cerca de R$ 14 bilhões pelos investimentos não amortizados nos ativos de geração e transmissão com vencimento entre 2015 e 2017. O governo ainda não divulgou a totalidade dos valores a serem recebidos pela renovação dos ativos de transmissão, depois que passou a permitir, em media provisória da última sexta-feira, que investimentos no segmento feitos até maio de 2000 e não amortizados também sejam passíveis de ressarcimento.


Na assembleia de acionistas, o presidente-executivo e o presidente do Conselho de Administração da Eletrobras não compareceram. José da Costa Carvalho Neto e Márcio Zimmermann, CEO e chairman da Eletrobras, respectivamente, não estavam na reunião.

Jornal Midiamax