Geral

Tráfego de veículos sobre ponte no rio Paraguai, em Corumbá, permanece lento

Até o início da noite desta segunda-feira era lento o trânsito de veículos, principalmente o de caminhões, sobre a ponte do rio Paraguai, perto da divisa de Miranda com a cidade de Corumbá. O tráfego por lá está vagaroso desde a manhã de domingo, quando uma embarcação carregada de minério e soja chocou-se com um dos […]

Arquivo Publicado em 09/05/2011, às 22h06

None

Até o início da noite desta segunda-feira era lento o trânsito de veículos, principalmente o de caminhões, sobre a ponte do rio Paraguai, perto da divisa de Miranda com a cidade de Corumbá.

O tráfego por lá está vagaroso desde a manhã de domingo, quando uma embarcação carregada de minério e soja chocou-se com um dos pilares da travessia. Não é a primeira vez que acidente desta natureza abala a estrutura da ponte, única via por terra que liga Corumbá ao resto de Mato Grosso do Sul.

O vice-prefeito da cidade de Corumbá Ricardo Eboli disse na tarde desta segunda-feira que técnicos do Estado fizeram vistoria na ponte e resolveram liberar o trânsito de caminhões no local, desde que de um a um. Os carros pequenos também obedecem à medida e isso atrasa a viagem.

Eboli afirmou que um engenheiro calculista que vai examinar a dimensão do estrago na ponte chega ao local somente nesta terça-feira. Com isso, o tráfego de veículo será monitorado.

O vice-prefeito disse ainda que de seis anos para cá a ponte que dá acesso a cidade de Corumbá já sofreu três ou quatro abalos e, em nenhum deles, as autoridades estaduais fizeram um estudo apurado sobre os eventuais estragos.

Em 2005, por exemplo, disse Eboli, uma embarcação bateu na ponte e destruiu um dolfer, uma proteção parecida com um guard rail, protetor dos pilares que seguram a estrutura da ponte.

“E esses protetores nunca foram reconstruídos, vamos pedir um laudo técnico aprofundado do assunto”, disse o vice-prefeito. No caso, a consulta de Eboli será feita junto a Agesul, órgão estadual responsável pela ponte construída sobre o rio Paraguai, a 70 km de Corumbá. .

Jornal Midiamax