Mesmo o PSDB sendo um dos partidos que mais recursos captaram no ano passado, a sigla está tentando perder o estigma que o PSDB é um partido elitista. As lideranças tucanas de Mato Grosso do Sul estão se aproximando da população e indo para os bairros. O PSDB de Reinaldo Azambuja foi a sigla que mais receita teve em 2010 com R$ 1.287,.668,94, contanto com a ajuda do fundo partidário que foi de R$ 223.209,00. Atualmente, a sigla possui 28 mil filiados.

O presidente municipal da sigla, Carlos Aberto Assis, disse que uma das formas que o ninho tucano está fazendo para tirar esse “fama” que ganhou durante as disputas com o PT nas eleições presidências é mostrar para a população que os projetos implantados pelo PSDB é que o PT está usando atualmente.

”Nós temos o ponto 45 que ficaram nos bairros. Temos o PSDB nos bairros e o PSDB comunitário que aproximam a população e mostra qual e o papel do PSDB na política”, comenta.

Para o deputado Rinaldo Modesto, o PSDB ganhou essa fama de partido elitista, pois não soube usar a mídia a seu favor na época.

Ele explica que nas disputas entre o PT e PSDB, o Partido dos Trabalhadores usou a mídia para dizer que era o partido era do povo.

”Aqui em Campo Grande o PSDB começou a mostrar que o partido não é elitista quando elegeu dois professores para a Câmara de vereadores e também começou a fazer o PSDB nos bairros mostrando a cara do partido para a população’, comenta.

Já para o deputado Márcio Monteiro o PSDB sempre trabalhou para a população com projetos atuais na época do governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso que foram utilizados pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e está sendo agora utilizada pela presidenta Dilma Roussef.

“O PT diz que é o partido do povo, assistencialista, mas tudo foi criação do PSDB na época do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. “O PT continuou fazendo, mas apenas mudou de nome e deu mais mídia”, explica.