Geral

Procuradoria pede ao STF abertura de inquérito contra Jaqueline Roriz

A Procuradoria-Geral da República (PGR) entrou hoje (10) com um pedido de abertura de inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) para apurar possíveis ilegalidades cometidas pela deputada federal Jaqueline Roriz (PMN-DF). Na semana passada, foi divulgado um vídeo em que a deputada e o marido, Manoel Neto, recebem um maço de dinheiro de Durval Barbosa, […]

Arquivo Publicado em 10/03/2011, às 19h35

None

A Procuradoria-Geral da República (PGR) entrou hoje (10) com um pedido de abertura de inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) para apurar possíveis ilegalidades cometidas pela deputada federal Jaqueline Roriz (PMN-DF).

Na semana passada, foi divulgado um vídeo em que a deputada e o marido, Manoel Neto, recebem um maço de dinheiro de Durval Barbosa, delator de um esquema de pagamento de propina a políticos no Distrito Federal (DF). A gravação foi feita em 2006, quando Jaqueline Roriz concorria a uma vaga na Câmara Legislativa do DF.

Segundo a PGR, o pedido foi feito com base no depoimento prestado por Barbosa ao Ministério Público do Distrito Federal e Territórios e no vídeo que mostra Jaqueline Roriz e o marido recebendo o dinheiro. O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, determinou que a Polícia Federal ouça a parlamentar e faça a perícia da fita em até 30 dias.

O relator do caso no STF é o ministro Joaquim Barbosa, mesmo ministro que apura o caso do mensalão, esquema de compra de votos de parlamentares da base aliada para que votassem favoravelmente em projetos de interesse do governo federal, no Congresso Nacional.

O pedido da PGR ao STF não aponta acusados e tem o objetivo de apurar responsabilidades. Caso entenda que Jaqueline Roriz é culpada após as investigações, Gurgel pode oferecer denúncia contra a parlamentar, que pode ou não ser aceita pelo STF.

Caso fique comprovado que a parlamentar tem envolvimento com o mensalão do DF, o inquérito principal sobre o assunto, que tramita atualmente no STJ, pode subir para o STF.

Jornal Midiamax