Os dados de atividade do terceiro trimestre decepcionaram, com destaque para a indústria, e o quarto trimestre não deve apresentar recuperação satisfatória, impedindo que a economia brasileira cresça mais de 3% em 2011. A avaliação é do economista Thiago Carlos, da Link Investimentos, para quem as projeções do mercado para o PIB (Produto Interno Bruto) devem continuar em queda nas próximas semanas.

O boletim Focus desta segunda-feira (7), mostra que os analistas consultados pelo BC (Banco Central) reduziram, pela quinta semana consecutiva, suas previsões para o crescimento da economia neste ano. Agora em 3,20%, a mediana das estimativas estava há uma semana em 3,29%, e há um mês, ainda se situava alinhada à projeção oficial do BC, de 3,5%.

“Tivemos um terceiro trimestre de fato muito ruim, com ajuste de estoques e desaceleração das vendas. Por mais que haja uma recuperação no quarto trimestre, ela não será suficiente para que o PIB avance 3,5% no fim do ano”, diz Carlos, que baixou sua projeção de 3,5% para 3% após a divulgação dos dados de produção de veículos da Anfavea. Em setembro, a produção das montadoras recuou 19,7% na comparação com agosto. Em relação a setembro do ano passado, a queda foi de 6,2%.

Apesar dos dados do varejo já mostrarem desaceleração, com queda de 0,4% nas vendas entre agosto e setembro, feitos os ajustes sazonais, o economista da Link afirma que a indústria é o setor determinante para um PIB de 3% em 2011. “Os números mostram que ainda não acabou o período de ajustes de estoque da indústria. Ela pode ter uma recuperação nos meses finais do ano, mas bem leve”, diz o analista, que espera crescimento de apenas 0,5% do setor fabril neste ano.

A mediana das projeções do Focus aponta para aumento de 1,8% da produção industrial em 2011. Há uma semana, ela estava em 2%. Para Carlos, ainda há espaço para essa estimativa seguir em queda nas próximas semanas, já que o boletim do BC é defasado.