Geral

Petrobras espera importação menor de gasolina em 2011, diz Gabrielli

A Petrobras espera que as importações de gasolina em 2011, utilizadas para cobrir o aumento sazonal da demanda do produto no Brasil, fiquem abaixo das registradas em 2010, disse à Reuters o presidente da estatal, José Sergio Gabrielli, nesta quarta-feira (2). “Esperamos este ano que o volume de importação não seja tão grande como o […]

Arquivo Publicado em 02/02/2011, às 22h12

None

A Petrobras espera que as importações de gasolina em 2011, utilizadas para cobrir o aumento sazonal da demanda do produto no Brasil, fiquem abaixo das registradas em 2010, disse à Reuters o presidente da estatal, José Sergio Gabrielli, nesta quarta-feira (2).


“Esperamos este ano que o volume de importação não seja tão grande como o do ano passado”, afirmou Gabrielli.


A Petrobras precisou importar cerca de 3 milhões de barris de gasolina em 2010, a primeira vez em muitos anos, devido ao aumento da demanda pelo combustível associada ao preço mais vantajoso frente ao etanol, que teve o preço elevado no período da entressafra.


A Petrobras, que não ampliou expressivamente a capacidade de refino nas últimas décadas e tem pouca capacidade ociosa para ser utilizada, tinha dito recentemente que não estava retomando importações de gasolina.


Ampliação da produção


O diretor de Abastecimento, Paulo Roberto Costa, afirmou em novembro que a empresa poderia ampliar a produção de gasolina em suas refinarias em 30 mil barris por dia, para atender ao crescimento do consumo e evitar a importação. Em dezembro, as vendas de gasolina foram recordes no país.


Gabrielli não forneceu detalhes sobre a época e o volume das importações, mas traders de derivados de petróleo afirmaram que a Petrobras tem sido ativa compradora de gasolina do Golfo do México norte-americano e de nafta da Rússia nos últimos dias.


A nafta é um derivado de petróleo usado na indústria petroquímica que também pode ser utilizada para a produção de gasolina.


Alavancagem


Gabrielli disse que o nível de alavancagem da companhia poderia alcançar cerca de 30% (relação dívida/Ebitda) até 2014, mantidas as políticas atuais de financiamento utilizadas pela companhia.


O diretor financeiro da Petrobras, Almir Barbassa, afirmou em dezembro que a Petrobras planeja levantar entre 15 e 16 bilhões de dólares em títulos e empréstimos em 2011, praticamente o mesmo volume de recursos de 2010.


Os recursos em sua maioria serão utilizados nas operações do pré-sal e em áreas descobertas pela companhia na última década.

Jornal Midiamax