Geral

Papa diz que é preciso recobrar a humildade diante do consumismo

"Se queremos encontrar o Deus que apareceu como menino, precisamos descer do cavalo de nossa razão ilustrada (...) devemos deixar nossas falsas certezas, nossa soberba intelectual".

Arquivo Publicado em 24/12/2011, às 23h58

None
1210062695.jpg

“Se queremos encontrar o Deus que apareceu como menino, precisamos descer do cavalo de nossa razão ilustrada (…) devemos deixar nossas falsas certezas, nossa soberba intelectual”.

O papa Bento XVI defendeu neste sábado, durante a Missa do Galo, o abandono do “brilho” da sociedade de consumo e da “soberba” da razão “liberal” para se deixar seduzir pela humildade de Jesus, um Deus para todos.


O Papa, de 84 anos, chegou à basílica de São Pedro visivelmente abatido, para celebrar a missa que comemora o nascimento de Jesus, retransmitida pela televisão para milhões de fiéis, em todo o mundo.


As luzes da basílica de São Pedro foram acesas apenas com a chegada do Papa, para simbolizar o anúncio do nascimento de Jesus Cristo.


Bento XVI, que com frequência denuncia o excesso de racionalismo, a falta de esperança e a negação ao transcendente, convidou os homens e mulheres a dar exemplos de humildade diante do mistério do Natal: “Se queremos encontrar o Deus que apareceu como menino, precisamos descer do cavalo de nossa razão ilustrada (…) devemos deixar nossas falsas certezas, nossa soberba intelectual”.


“Devemos apear, ir espiritualmente a pé para poder entrar pelo portal da fé e encontrar Deus, que é diferente de nossos julgamentos e opiniões”, disse o Papa ao recordar que Jesus nasceu em uma simples manjedoura.


Bento XVI lembrou que o Natal celebra uma criança que em sua fragilidade é um Deus forte.


“O Natal hoje se transformou em uma festa do comércio, cujas luzes brilhantes escondem o mistério da humildade de Deus”.


“Devemos ser os construtores da paz. Amarmos o (Deus) menino, sua não violência”, enquanto “o mundo é constantemente ameaçado pela violência em muitos lugares e de diversas maneiras”.


O Papa pediu aos católicos de todo o mundo que rezem “pelos que passam o Natal na pobreza, na dor, na condição de refugiado, para que apareça diante deles um raio da bondade de Deus”.


Mais cedo, Bento XVI acendeu uma vela pela paz em sua janela, diante de um grande presépio montado na Praça de São Pedro.


Milhares de fiéis assistiram à inauguração do presépio, ao som de gaitas de foles e de cânticos populares italianos e de outros países, incluindo da Baviera, terra natal de Joseph Ratzinger.


Por volta das 18H00 local (15H00 Brasília), o Papa foi até a janela de um de seus aposentos e acendeu uma vela, que levantou em direção à multidão fazendo o sinal da cruz, enquanto os músicos tocavam a canção “Tu scendi dalle stelle”.


O presépio está ao lado de um abeto oferecido pela Ucrânia para árvore de Natal.


Desde 1982, por determinação de João Paulo II, a cada ano é montado um grande presépio na Praça de São Pedro para o Natal.


No domingo, os festejos de Natal prosseguirão no Vaticano com a benção do Papa e a mensagem “urbi et orbi”.

Jornal Midiamax