Geral

Ministro das Cidades defende penas mais duras para motoristas embriagados

O ministro das Cidades, Mário Negromonte defendeu nesta segunda-feira (20) a aplicação de penas mais severas para os motoristas que provocam mortes em acidentes de trânsito, especialmente quando embriagados. Ele defende que, quanto maior for a irregularidade, maior deve ser a pena. E lembra que estão em tramitação no Congresso Nacional mais de 100 projetos […]

Arquivo Publicado em 20/10/2011, às 18h21

None

O ministro das Cidades, Mário Negromonte defendeu nesta segunda-feira (20) a aplicação de penas mais severas para os motoristas que provocam mortes em acidentes de trânsito, especialmente quando embriagados. Ele defende que, quanto maior for a irregularidade, maior deve ser a pena. E lembra que estão em tramitação no Congresso Nacional mais de 100 projetos que pretendem tornar as leis de trânsito mais duras.


O ministro conta que, quando chegou a Brasília para assumir o mandato de deputado federal, se reeducou, pois o Distrito Federal “avançou muito na questão da cidadania, com o respeito à faixa de pedestres. Mesmo nos lugares em que não há sinalização, os motoristas aqui param para que o pedestre passe”, reconheceu.


Negromonte disse que os índices de acidentes de trânsito no país são muito preocupantes, pois a cada dois dias morre o equivalente ao número de passageiros de um avião Boeing, ou seja, 100 casos de morte no trânsito por dia, o que ele considera “um absurdo”. “Se caísse um Boeing a cada dois dias, todo mundo ficaria chocado.


No entanto, é preocupante que isso se torne rotina no trânsito”. Ele diz que o Ministério das Cidades e o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) trabalham para mudar essas estatísticas. No feriado de Corpus Christ deste ano, por exemplo, houve redução de 35% nos acidentes em relação a 2010. O ministro citou o exemplo do Japão, onde se pratica uma lei “compatível com a gravidade” dos casos em que um motorista mata alguém no trânsito por irresponsabilidade.


Em vez de ser preso, o infrator é obrigado a trabalhar para sustentar a família do morto, explicou Negromonte. Ele acha que a legislação no Brasil ainda é muito branda e cita uma reportagem divulgada pela TV mostrando o caso de um motorista sem carteira que provocou a morte de uma pessoa no trânsito e, antes mesmo de ser condenado, cometeu outro crime desse tipo, dirigindo embriagado. Mário Negromonte participou nesta segunda-feira (20) do programa Bom Dia Ministro, da EBC Serviços, uma produção multimídia feita com a participação de âncoras de rádio de todo o país.

Jornal Midiamax