Geral

Lucro da Vale sobe quase 300% e é recorde no trimestre

A Vale teve lucro líquido recorde de R$ 11,291 bilhões no primeiro trimestre de 2011, ante R$ 2,879 bilhões em igual período do ano anterior – o que equivale a alta de 292,2%, refletindo preços maiores de seu principal produto, o minério de ferro. Os ganhos deste primeiro trimestre superam em 7% o recorde anterior, […]

Arquivo Publicado em 06/05/2011, às 00h15

None

A Vale teve lucro líquido recorde de R$ 11,291 bilhões no primeiro trimestre de 2011, ante R$ 2,879 bilhões em igual período do ano anterior – o que equivale a alta de 292,2%, refletindo preços maiores de seu principal produto, o minério de ferro.


Os ganhos deste primeiro trimestre superam em 7% o recorde anterior, de R$ 10,554 bilhões, apurados no terceiro trimestre de 2010. O lucro líquido também é 12,9% superior ao resultado do quarto trimestre de 2010, quando a mineradora apurou ganhos de R$ 10,002 bilhões.


“Este é o resultado da execução de nossa estratégia de expandir a produção principalmente através do crescimento orgânico, desenvolvendo ativos de primeira linha… em um cenário de forte demanda global por minerais e metais”, afirmou a companhia em comunicado nesta quinta-feira (5)


O lucro da mineradora foi o maior da história de uma companhia aberta no Brasil para um primeiro trimestre, de acordo com a Economática. O desempenho acontece em meio à troca do principal executivo da empresa, Roger Agnelli, que no próximo dia 20 deixa o cargo que será ocupado por Murilo Ferreira, um ex-executivo da Vale.


O Ebitda (lucro antes de impostos, juros, amortizações e depreciações) no primeiro trimestre foi de R$ 15,517 bilhões, alta de 188,2% sobre os R$ 5,385 bilhões há um ano. O resultado financeiro líquido ficou negativo em R$ 268 milhões, contra R$ 1,337 bilhão no primeiro trimestre de 2010.


No período, a receita operacional líquida atingiu R$ 22,985 bilhões, contra R$ 12,583 bilhões do primeiro trimestre de 2010.


Pela contabilidade norte-americana, o lucro da Vale atingiu US$ 6,83 bilhões.


No primeiro trimestre de 2011, o volume vendido de minério de ferro e pelotas totalizou 68,586 milhões de toneladas métricas, volume 2,7 superior aos 66,802 milhões de toneladas do mesmo período do ano passado.


Apesar de o volume ter crescido apenas ligeiramente na comparação anual, os preços do minério de ferro quase dobraram no período, segundo a Vale, para US$ 126,19 por tonelada, em meio à forte demanda internacional pelo produto, especialmente da China.


Em relação ao quarto trimestre de 2010, um período que costuma ser sazonalmente mais forte que a primeira metade do ano, as vendas de minério de ferro e pelotas da Vale caíram 16,2%, informou a companhia.


A produção de minério de ferro da Vale aumentou para 71,54 milhões de toneladas no primeiro trimestre, contra 69,06 milhões no mesmo trimestre do ano passado e ante 80,26 milhões de toneladas no quarto trimestre de 2010.


A Vale também observou em nota que as operações no primeiro trimestre foram impactadas pelas chuvas excepcionalmente fortes no Brasil, que afetaram principalmente as minas do sistema norte.


A receita gerada com vendas de minério de ferro atingiu R$ 11,907 bilhões no primeiro trimestre, sendo o maior valor registrado pela Vale num primeiro trimestre, informou a companhia em comunicado.


“Especificamente comparado ao 1T10, a Vale melhorou o desempenho operacional em quase todos os produtos, como o minério de ferro, pelotas, manganês, ferro ligas, carvão, níquel, cobre e cobalto, apresentando aumentos de produção, permitindo que continuemos a nos beneficiar de um cenário global favorável”, afirmou a companhia em comunicado ao mercado.


A Ásia recebeu praticamente a metade da produção da Vale, ou 49,1%, fatia menor do que a região registrou no quarto trimestre de 2010, quando ficou com 54% do total das vendas, refletindo o recuo da demanda da China no período, de 34,6% para 29,5%.


Mesmo assim, a China continua como o país de maior peso na receita da Vale, seguido pelo Brasil, com 17,8%,  e Japão, com 10,7%.

Jornal Midiamax