Geral

Inter reverte vantagem e conquista o Campeonato Gaúcho nos pênaltis

Que se dê fim, de maneira definitiva, no mito falacioso que atribui debilidade técnica do maior clássico do Rio Grande do Sul. Mais uma vez Grêmio e Inter protagonizaram um clássico irresistível. Jogadores qualificados, muitos ataques nas duas áreas, dribles, gols, defesas espetaculares, falhas e indefinição até o último segundo de jogo fizeram do Gre-Nal […]

Arquivo Publicado em 15/05/2011, às 21h39

None
731038729.jpg

Que se dê fim, de maneira definitiva, no mito falacioso que atribui debilidade técnica do maior clássico do Rio Grande do Sul. Mais uma vez Grêmio e Inter protagonizaram um clássico irresistível. Jogadores qualificados, muitos ataques nas duas áreas, dribles, gols, defesas espetaculares, falhas e indefinição até o último segundo de jogo fizeram do Gre-Nal disputado na tarde deste domingo, no Estádio Olímpico, um dos melhores da história recente desta rivalidade.


No tempo normal o Inter venceu por 3 a 2. Lúcio abriu o placar para o Grêmio, mas Leandro Damião, Andrezinho e D’Alessandro – de pênalti – viraram o placar. Borges, faltando dez minutos para o final, marcou o gol tricolor que levou a decisão do Campeonato Gaúcho para os pênaltis.


E nas cobranças, o Inter foi melhor – vencendo por 5 a 4 após 14 cobranças realizadas. Inter, campeão gaúcho de 2011!


Supremacia tricolor


Com titulares importantes retornando de problemas físicos – Victor, Lúcio e Vilson – e também com Adilson liberado após cumprir suspensão, Renato Gaúcho não inventou. Para preservar a vantagem conquistada com a vitória de 3 a 2 no Gre-Nal do Beira-Rio, o treinador do Grêmio escalou a equipe no seu usual 4-4-2 com meio-campo em losango.


Precisando vencer por pelo menos dois gols de diferença, Falcão mudou a estrutura tática do Inter. Ele sistematizou a equipe colorada no 4-3-2-1, com o zagueiro Juan na lateral-esquerda. Guiñazu foi o primeiro volante, tendo à frente Bolatti e o lateral Kleber improvisado no meio, mais D’Alessandro e Andrezinho aproximando-se de Leandro Damião.


Mesmo com a tranquilidade do placar vitorioso do clássico anterior, foi o Grêmio quem assumiu o controle da posse de bola. De início as chances partiram das faltas laterais. Mas aos 15 minutos a pressão transformou-se em comemoração.


Douglas lançou Lúcio de forma primorosa. A bola encobriu a linha defensiva colorada e encontrou o camisa 11 tricolor absolutamente livre, em condições legais garantidas pelo atraso de Índio em se adiantar. E com tranquilidade Lúcio desviou de Renan para marcar: 1 a 0. Quatro minutos depois quase saiu o segundo, mas o goleiro do Inter salvou atirando-se aos pés de Viçosa.


Supremacia colorada


Tamanho o domínio em campo, que os gremistas se empolgaram nas arquibancadas. Mal passavam 25 minutos e os tricolores gritavam ‘olé’. A resposta de Falcão foi imediata, com a substituição do zagueiro Juan pelo meia-atacante Zé Roberto.


Aos 30, na primeira jogada de Zé Roberto, o Inter empatou. Pelo lado esquerdo ele levou o Inter à frente. A bola sobrou para Leandro Damião, que em restrito espaço conseguiu girar, e bater de esquerda. Não havia, praticamente, ângulo. Mas Damião fez a bola contrariar as leis da física, vencendo Victor: 1 a 1.


Ainda em vantagem, o Grêmio passou a apostar nos contra-ataques, e o Inter recuperou a posse de bola perdida no início do jogo. De tanto insistir, principalmente sobre o lado esquerdo gremista – com Zé Roberto, Bolatti e Nei sobre Gilson, com problemas na cobertura – a virada chegou.


Após escanteio, Andrezinho apanhou o rebote e com muita categoria superou Victor: 2 a 1 para o Inter, aos 45. Curiosamente, Andrezinho mancava, com problemas físicos provocados por uma falta sofrida pouco antes do gol. Mesmo assim, conseguiu chutar para o gol da virada. Como um Saci, o mascote do Inter, fez o gol com um pé só.


Virada para o título


Andrezinho até retornou do vestiário, mas logo no início do segundo tempo não suportou as dores e foi substituído por Oscar. Com ainda mais velocidade na transição ofensiva colorada, Grêmio e Inter alternaram-se em ataques tanto quanto São Pedro variou as condições climáticas do Gre-Nal, disputado sob sol, chuva, mais sol, chuva de novo…


Em ambiente saturado de tensão, o Gre-Nal passou à imprevisibilidade total. Ninguém ousaria adivinhar o que estaria por vir. O Inter insistia, o Grêmio contra-atacava, mas nenhuma boa oportunidade foi criada. Até os 27 minutos.


Vilson contorcia-se no gramado, com dores. Mas não quis deixar o campo amparado pela maca. Desta forma, o árbitro Leandro Vuaden autorizou a cobrança de um lateral pelo Inter. Desorganizada, a defesa do Grêmio não esperava o reinício do jogo de forma tão rápida.


E Zé Roberto recebeu livre, invadiu a área, e foi parado pelo goleiro Victor, em pênalti claro. Na cobrança, dois minutos depois, D’Alessandro marcou: 3 a 1 para o Inter, resultado que seria suficiente para a conquista do título estadual.


Falha leva aos pênaltis


D’Alessandro nem havia cobrado o pênalti e Renato Gaúcho já contava com o gol do Inter. Tanto que, simultâneo à marcação sobre Zé Roberto, o treinador convocou os atacantes Lins e Borges. Ambos substituíram Leandro e Viçosa, e o Grêmio retomou aquela pressão arrefecida desde o empate colorado, lá no primeiro tempo.


A torcida do Inter cantava sozinha, frente a um estarrecido Estádio Olímpico em silêncio. Quem diria que seria um jogador colorado o responsável pelo retorno da alegria no lado azul das arquibancadas? Aos 35, Douglas cruzou na área, Renan saltou e segurou a bola, mas na queda soltou-a. Livre, sem goleiro, Borges marcou para o Grêmio: 3 a 2 para o Inter, placar que levou a decisão do Campeonato Gaúcho aos pênaltis.


Pênaltis: Inter campeão


Douglas abriu a série marcando 1 a 0 para o Grêmio. D’Alessandro empatou em belíssimo chute. Na segunda sequência, Renan parou Willian Magrão defendendo no canto direito. Mas Victor, companheiro de Seleção do centroavante colorado, também bloqueou a cobrança de Leandro Damião.


Rochemback recolocou o Grêmio à frente. E Victor foi novamente brilhante ao defender o chute de Kleber, deixando o Grêmio com 2 a 1. Antes da euforia tricolor, entretanto, Renan também defendeu o chute de Lúcio. Logo depois, Oscar empatou em 2 a 2.


Lins, no meio do gol, deixou o Grêmio na frente. E Bolatti determinou a igualdade que levou a decisão às cobranças alternadas. Rodolfo fez para o Grêmio, Nei para o Inter, Adilson errou, e Zé Roberto, o melhor em campo, o jogador que mudou a cara do jogo, deu o título para o Inter.

Jornal Midiamax