Filas e demora na emissão de GTA se tornaram rotina na Iagro do município. A principal dificuldade relatada é quanto ao procedimento de assinatura dos veterinários do órgão no documento. Porém, a grande dúvida é com relação às exigências legais, caso o sindicato rural passe a emitir a guia.

Enquanto servidores da Iagro em e no restante de MS mantêm a “Operação Padrão” em busca da implantação do Plano de Cargo, Carreira e Salário (PCCS), proprietários rurais e escritórios de contabilidade especializados neste segmento se vêm com sérias dificuldades para adquirir a Guia de Trânsito Animal (GTA), em Três Lagoas.

Na sede da Iagro em Três Lagoas, na manhã desta sexta-feira (18), o que se via e ouvia eram pessoas descontentes com a demora na emissão da GTA.

“Estou aqui desde as 8h30 e ainda não foi expedida a única guia que solicitei hoje. Tem dias que o escritório recebe de seus clientes cerca de 20 solicitações nesse sentido. A principal dificuldade consiste na exigência da assinatura dos veterinários da Iagro no documento. Esse “aceite” representa que irão estar presente na hora do embarque para conferir os animais transportados”, relatou o gerente do setor de pecuária de um dos escritórios locais, Ademir Carvalho Otero.

Já o pecuarista Francisco Moreira de Queiroz, relatou sobre a tentativa junto a Iagro, desde a quarta-feira (16), para embarcar o gado comprado de uma fazenda na região de Inocência para Três Lagoas.

“Não sou contra a luta desses profissionais quanto a reivindicação de seus direitos, mas deveria haver outra forma para que nós, pecuaristas, não fossemos penalizados por isso”, argumentou.

Em outro caso, um funcionário de uma grande propriedade rural no município, Paulo Enrique da Silva, desde esta quinta-feira (17) tentava conseguir que a Iagro de Três Lagoas entrasse em contato com o veterinário de Ribas do Rio Pardo.

“Uma das nossas fazendas fica em Ribas e precisamos trazer com urgência certa quantidade de gado para a propriedade em Três Lagoas. As rezes dessa transferência cabe em um só caminhão. Portanto, necessitamos de apenas uma GTA. A informação é que o veterinário de lá ainda não foi encontrado para assinar a guia. O mais interessante nisso é que, devido à falta de servidores para realizar esse serviço em todo o Estado, na prática, o acompanhamento do veterinário da Iagro quase nunca ocorre durante o embarque, o que transforma isso em um mero procedimento burocrático”, relatou.

Incumbência

A Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul) enviou nota a todos os sindicatos rurais do Estado, informando de que o serviço para a emissão de GPA ficará a cargo dos sindicatos rurais municipais, até que os serviços na Iagro sejam normalizados.

A decisão ocorreu nesta quinta-feira (17) e foi proposta pelo presidente da Famasul, Eduardo Riedel. Representantes do governo do Estado apoiaram a indicação. “Essa alternativa já vinhas sendo construída há cerca de dois anos”, declarou Riedel, no site na Famasul.

Apesar da determinação estar em fase de implantação, o ato já gera dúvidas com relação aos procedimentos de rotina nessa emissão.

“Como ficará a questão quanto à exigência da assinatura do veterinário da Iagro na GTA? Haverá funcionários suficientes e com capacitação no sindicato para atender a demanda?” Questionou Ademir.

Para Ademir, a “Operação” da Iagro só não comprometeu a vacinação contra febre aftosa devido à campanha ser feita exclusivamente via internet.

“Como agora é o momento dos pecuaristas estarem vacinado seu rebanho, os pedidos de GTA estão em baixo número. Todo o procedimento para a comprovação de vacinação é feito via web, o que vem favorecendo nesse momento”, finalizou.

Demanda

Apesar de optar por não se pronunciar sobre o assunto, o inspetor da Iagro local e médico veterinário, Álvaro de Matos Martins Pereira, disse que a situação é complexa, pois Três Lagoas ocupa o segundo lugar quanto ao número de emissão de GTA do Estado, perdendo apenas para a Capital.