Geral

Encontro discute ações para enfrentamento da exploração sexual

Corumbá sediou nesta sexta-feira (11) um encontro estadual promovido pelo Comitê de Enfrentamento da Violência e da Defesa dos Direitos Sexuais de Crianças e Adolescentes de Mato Grosso do Sul (Comcex-MS) e o Instituto Brasileiro de Inovações pró-Sociedade Saudável Centro Oeste (IBISS|CO) que discutiu o tema “As margens dos direitos: o impacto das atividades fluviais na […]

Arquivo Publicado em 11/02/2011, às 18h45

None

Corumbá sediou nesta sexta-feira (11) um encontro estadual promovido pelo Comitê de Enfrentamento da Violência e da Defesa dos Direitos Sexuais de Crianças e Adolescentes de Mato Grosso do Sul (Comcex-MS) e o Instituto Brasileiro de Inovações pró-Sociedade Saudável Centro Oeste (IBISS|CO) que discutiu o tema “As margens dos direitos: o impacto das atividades fluviais na vida de crianças e adolescentes”.


Realizado no Hotel Gold Fish, o evento reuniu 25 instituições governamentais e não governamentais da cidade; membros da rede de proteção e garantia de direitos de crianças e adolescentes; além de representantes de diversos segmentos ligados à infância e juventude da região Centro Oeste, somando um total de 70 participantes.


“Corumbá foi escolhida para ser sede deste colóquio porque é uma cidade estratégica. Ela fica situada entre a fronteira com a Bolívia, entre o estado de Mato Grosso e possui um grande destaque no cenário turístico, que tem como base principal o transporte fluvial. Todo esse cenário constitui o enfoque do encontro, que é discutir o impacto das atividades fluviais na vida de crianças e adolescentes”, explicou ao Diário Tânia Regina Comerlato, coordenadora Colegiada do Comcerx-MS.


A coordenadora informou ainda que a reunião definiu um documento que até maio deverá estar à disposição de toda a sociedade. “Até maio de 2011, deverá sair o relatório final da pesquisa e este relatório estará disponível a toda a sociedade. Esse relatório reunirá os principais dados não só de combate, mas também de prevenção e cabe, depois aos órgãos governamentais se utilizarem destes dados a fim de fomentarem as políticas públicas de conscientização e combate”, disse.


“Esse encontro faz parte de uma pesquisa do Comcex sobre as atividades fluviais relacionadas ao turismo e direitos sexuais das crianças e adolescentes. Por isso que esse colóquio inclui além de Corumbá, representantes de todo o Centro-Oeste. Nossa ideia é fazer um levantamento de todas as comunidades ribeirinhas, para que possamos então, envolver as políticas públicas a fim de estabelecer atividades de força de combate à exploração nessas regiões”, frisou Tânia.


Além da análise da situação e troca de experiências, os participantes tiveram no colóquio um espaço para expor sugestões que permitissem enfrentar a exploração sexual de crianças e adolescentes. O evento também contou com a apresentação da pesquisa realizada pelo “Projeto de Fortalecimento do Comcex-MS”, que fez um mapeamento das dinâmicas de exploração sexual de crianças e adolescentes na região da fronteira fluvial do Estado.


“Receber um evento deste porte é muito enriquecedor, pois sabemos que não somente nossa cidade, mas toda a área que envolve o turismo e o Pantanal possuem esse combate contra a exploração das crianças e adolescentes. As autoridades locais sabem dessa situação, que muitas pessoas se utilizam do tráfego fluvial para a promoção da exploração, haja visto que esse é meio vulnerável. As crianças e adolescentes que moram em áreas ribeirinhas, e encontram em situações de vulnerabilidade, facilitando assim a ação criminosa de exploração. O cenário de nossa cidade ganha com este colóquio mais um amparo na luta da exploração”, frisou Cristiane Sant’ana, representante do Fórum Permanente de Entidades Não Governamentais de Corumbá e Ladário.

Jornal Midiamax