Os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva foram personagens destacados no lançamento do programa Brasil sem Miséria para a região Sudeste, feito pela presidente Dilma Rousseff nesta quinta-feira.

Apesar da ausência de Lula no evento e de Fernando Henrique sequer ter discursado, aliados de ambos travaram uma batalha branca em palavras para exaltar o legado de cada um deles.

Discursos feitos no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo de São Paulo –Estado comandado por tucanos desde 1995– exaltaram Fernando Henrique pela conquista da estabilidade econômica e Lula pelos programas sociais que ajudaram a tirar milhões de brasileiros da pobreza.

Sentado ao lado de Dilma, o ex-presidente tucano foi um dos mais aplaudidos quando teve seu nome chamado pelo mestre de cerimônias do evento.

Fernando Henrique foi classificado como responsável pelo fim da inflação e pela estabilidade econômica do país pelos governadores Antonio Anastasia (PSDB-MG) e Renato Casagrande (PSB-ES).

O maior elogio, no entanto, veio do governador paulista, Geraldo Alckmin (PSDB). Ele lembrou que foi o governo FHC que criou os programas sociais posteriormente unificados e ampliados na gestão de Lula.

“Foi a estabilidade econômica que permitiu que os governos começassem a se organizar para atender aos que mais sofrem”, disse Alckmin.

O governador paulista disse ainda que “a erradicação da miséria é uma forma de ser da ética na política”.

Ausente, Lula foi lembrado pelo governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), como “grande presidente”.

O afago maior, no entanto, veio de sua sucessora Dilma Rousseff, que lembrou dos milhões de brasileiros que deixaram a pobreza no governo Lula.

“Essa é, sem dúvida, a herança bendita que o presidente Lula, entre tantas outras, me legou”.