Geral

Dilma conversa com Cristina Kirchner e Evo Morales em Caracas

Em busca do desenvolvimento regional com inclusão social e medidas sustentáveis, a presidenta Dilma Rousseff está em Caracas para reuniões multilaterais e bilaterais. Dilma se reúne na manhã desta sexta-feira (2) com os presidentes da Argentina, Cristina Kirchner, e da Bolívia, Evo Morales. À tarde, ela participa da abertura da 3ª Calc (Cúpula de Chefes […]

Arquivo Publicado em 02/12/2011, às 11h36

None

Em busca do desenvolvimento regional com inclusão social e medidas sustentáveis, a presidenta Dilma Rousseff está em Caracas para reuniões multilaterais e bilaterais. Dilma se reúne na manhã desta sexta-feira (2) com os presidentes da Argentina, Cristina Kirchner, e da Bolívia, Evo Morales. À tarde, ela participa da abertura da 3ª Calc (Cúpula de Chefes de Estado e de Governo da América Latina e do Caribe) e 1ª Celac (Cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos).

Com Morales, Dilma deve ampliar as parcerias em várias áreas. Apenas nesta semana, Brasil e Bolívia iniciaram um processo conjunto de combate ao narcotráfico por terra e água nas regiões fronteiriças que atingem as regiões de Corumbá, Puerto Suárez, Cáceres, San Matías, Guajará-Mirim, Guayaramerín, Epitaciolandia e Cobija. Bolivianos, brasileiros e italianos também fizeram um acordo para o controle de incêndios na área da região amazônica.

Para as reuniões da Calc e Celac, representantes de 33 países estarão presentes. A Celac quer buscar o fortalecimento regional, excluindo os Estados Unidos, o Canadá e a Europa. A iniciativa marca o bicentenário da independência de vários países da América Latina e tem como inspiração Simón Bolívar, o libertador das colônias espanholas.

Em 1824, Bolívar fez uma convocação para a integração dos países da região, em um congresso no Panamá. Em dezembro de 2008, líderes de vários países, inclusive o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, apoiaram a criação da Celac. Na década de 1980, foi criado um grupo para buscar a pacificação dos conflitos armados na América Latina, que se transformou depois no Grupo do Rio – que precedeu a Unasul (União de Nações Sul-Americanas) e a Celac.

O novo organismo, a Celac, será formado por 33 países: Antigua e Barbuda, Argentina, Bahamas, Barbados, Belice, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Dominica, Equador, El Salvador, Guatemala, Granada, Guiana, Haiti, Honduras e Jamaica. Também integram o grupo México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana, San Cristóbal & Nieves, San Vicente e Granadinas, Santa Lucia, Suriname, Trinidad e Tobago, Uruguai e a Venezuela – anfitriã deste encontro.

Com informações da agência pública de notícias de Portugal, Lusa

Jornal Midiamax