Geral

Conheça o hipotireoidismo, doença que antecipou final da carreira de Ronaldo

O hipotireoidismo, doença que o craque Ronaldo Fenômeno anunciou publicamente enfrentar há cerca de quatro anos, é um distúrbio na glândula tireóide. Conhecido popularmente como “tireóide preguiçosa”, é a disfunção mais comum da tireóide e ocorre mais em mulheres do que nos homens. Ronaldo disse que o hipotireoidismo acelerou o final da carreira. No Brasil […]

Arquivo Publicado em 14/02/2011, às 15h46

None

O hipotireoidismo, doença que o craque Ronaldo Fenômeno anunciou publicamente enfrentar há cerca de quatro anos, é um distúrbio na glândula tireóide. Conhecido popularmente como “tireóide preguiçosa”, é a disfunção mais comum da tireóide e ocorre mais em mulheres do que nos homens. Ronaldo disse que o hipotireoidismo acelerou o final da carreira.


No Brasil há poucos dados sobre a abrangência da doença, mas estudos realizado pelas Universidades Federal e Estadual do Rio de Janeiro em meados de 2005 indicam que o hipotireoidismo é muito mais freqüente do que acreditava até então na nossa população.


Os resultados mostraram que boa parte de pessoas afetadas pela diminuição da função da glândula tireóide não sabe que é portadora do distúrbio. O diagnóstico somente é possível através da dosagem do TSH e dos hormônios da tireóide no exame de sangue.


Efeitos do hipotireoidismo


O hipotireoidismo causa diversos sintomas físicos porque os hormônios da tireóide são importantes para regular o funcionamento de praticamente todos os órgãos e sistemas do corpo. Com a doença, os níveis dos hormônios tireoidianos (T3 e T4) ficam anormalmente baixos por algum motivo. Assim como aconteceu com Ronaldo, todos os processos do corpo se tornam mais lentos para quem tem a disfunção.


Os principais sintomas, segundo o Portal Boa Saúde, são:


1.cansaço excessivo;
2.desânimo, ou até mesmo depressão;
3.raciocínio lento;
4.fala arrastada;
5.sensação de frio excessivo;
6.ganho de peso (geralmente, em torno de 3 a 5 Kg);
7.pele seca e cabelos finos e quebradiços;
8.inchaço nas pernas ou ao redor dos olhos;
9.pouca sudorese;
10.intestino preso e digestão lenta;
11.irregularidade das menstruações (às vezes, sangramento excessivo);
12.infertilidade;
13.batimento lento do coração (menos que 60 batimentos por minuto);
14.aumento do colesterol


Difícil de descobrir


Como os sintomas que o hipotireoidismo causa são muito comuns em outras doenças como anemia, depressão e deficiência de vitaminas, várias vezes demora até o médico e o paciente descobrirem a disfunção.


Para os adultos, como o jogador Ronaldo, a causa mais comum de hipotireoidismo é um distúrbio chamado tireoidite de Hashimoto. Nessa doença, o sistema imunológico ataca a glândula tireóide como se ela fosse um estranho no corpo. Com os ataques, ela diminui a capacidade de produzir os hormônios tireoidianos.


Outos motivos que podem levar ao hipotireoidismo também são o uso de iodo radioativo (para tratamento de hipertireoidismo, que é o oposto do hipotireoidismo) ou a cirurgia, com retirada parcial ou total da tireóide (para tratamento de outros problemas como tumores nessa glândula).


Outra causa de hipotireoidismo, bem mais difícil, é a presença de alguma doença da hipófise, outra glândula que produz um hormônio para fazer a tireóide funcionar. Algumas medicações também podem levar à redução da produção ou da ação dos hormônios tireoidianos e, portanto, provocar hipotireoidismo (por exemplo: amiodarona, xaropes para tosse contendo iodo, carbonato de lítio).


H;a ainda o hipotireoidismo congênito, quando a tireóide não se desenvolve adequadamente e a criança apresenta deficiência de hormônios tireoidianos desde o nascimento.


Efeitos da doença


O hipotireoidismo, quando não é tratado adequadamente, causa, além dos sintomas, um efeito geral de redução da performance física e mental no paciente, além de causar elevação no nível de colesterol.


Em casos extremos, o hipotireoidismo pode evoluir até um estado com grande risco de vida, chamado coma mixedematoso, com redução da temperatura corporal, perda de consciência e mau funcionamento do coração.


Para evitar as complicações, nos casos de suspeita a confirmação do diagnóstico é feito através de exame de sangue que faz a dosagem do TSH (que é um hormônio produzido pela hipófise para estimular o funcionamento da tireóide), e a dosagem de hormônios tireoidianos (T4 e T3).


Como o hipotireoidismo é a falta de hormônio tireoidiano, o tratamento é feito com a reposição desse hormônio através de comprimidos tomados por via oral. A medicação de escolha é a levotiroxina, que é uma forma farmacológica do hormônio T4. Depois do início da medicação, o paciente comumente leva cerca de 2 semanas para sentir uma melhora importante dos sintomas do hipotireoidismo. (Com informações do Portal Boa Saúde)

Jornal Midiamax